expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Subscreve a Newsletter Semanal

terça-feira, 30 de maio de 2017

A obsessão com a escolha de um nicho



É chegado o momento de te falar sobre um tema que me tem surgido em tudo o que é canto e que me causa uma certa irritação. Já te mostrei as minhas últimas aquisições literárias e entre elas, como certamente reparaste, encontra-se o livro Ser Blogger

Em breve irei falar mais a fundo sobre este livro, mas não me foi possível continuar a ignorar este apelo que se faz pela escolha de um nicho e pela exploração desse nicho. O livro terá sido a última gota, por ter sido a última referência a que tive acesso onde esta temática é abordada. Contudo, em tudo o que é sítio em que se fale abertamente sobre este universo que é a blogosfera se fala de como é importante fazer uma escolha. 

Infelizmente, em Portugal não se encontra muita informação sobre isto e durante estes anos em que tenho sido autora deste blog tenho sido "obrigada" a beber conhecimento em muitos blogs estrangeiros, nomeadamente, ingleses, americanos e brasileiros. Em todos o conselho mais repetido é de que, para se ter o maior sucesso, é necessário escolher um nicho sobre o qual focar os assuntos do blog. 

Como não sou pessoa desprovida de inteligência, consigo compreender os motivos de quem defende essa forma de estar na blogosfera e esse caminho prático para alcançar uma posição privilegiada neste universo em constante crescimento. No entanto, não sou capaz de aplicar esse conselho tão sensato. Já percebi que o facto de me focar num tema-chave me colocaria numa posição de especialista aos olhos de quem me lê. Já entendi que seria muito mais fácil o contacto com as marcas e a rentabilização do blog. 

A sério que compreendo todas as vantagens. Assim como entendo quem opta por seguir este conselho e se dá bem com ele. Na minha forma de estar na blogosfera, isso não encaixa. Porque quando criei o Não Digas Nada a Ninguém a minha intenção foi voltar à minha grande paixão, a escrita. E através dela partilhar com o mundo tudo o que para mim faz sentido, os meus interesses (que são imensos e variados), as minhas experiências e a minha forma de estar na vida. 

É certo que tenho muita vontade de fazer cada vez melhor, chegar a cada vez mais pessoas e alcançar o dito sucesso com ele. Por isso mesmo é que estou sempre à procura das melhores dicas, seja através dos blogs que falam sobre isto de ter um blog ou do livro que tanta falta fazia em Portugal. Só que não sou capaz de abandonar o conceito de lifestyle que para mim é o que faz sentido. 

Claro que sigo blogs focados nos assuntos que despertam o meu interesse, mas também gosto de ver blogs com uma componente mais pessoal. Onde a pessoa se revela e se dá a conhecer. É nesse tipo de blog que conheço pessoas fantásticas e com quem criei as ligações mais próximas. Isto para dizer que lamento que actualmente seja muito complicado encontrar esse tipo de blog, com essa naturalidade e genuinidade. 

Portanto, se andas a pensar criar o teu blog o melhor conselho, e que também vais encontrar em toda a parte, é fazeres um projecto à tua imagem e semelhança onde falas de algo que te apaixona. Porque essa paixão passa para quem lê e é o melhor cartão de visita e o maior incentivo para que os leitores voltem e sigam com atenção o teu trabalho. 

Conta-me, existe um tema específico que te faça seguir um blog? Ou preferes os mais generalistas?

5 comentários:

  1. "Um nicho" faz sentido se fores fazer do teu blog um negócio, caso contrário, se fores movida pela paixão, então é isso que chega e basta :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo em certa medida, porque acredito que a tua paixão, se lhe dedicares o devido empenho e dedicação, pode conduzir ao crescimento até seres capaz de viveres dessa mesma paixão. Quem não sonha com isso?

      Eliminar
    2. Tens toda a razão. A única questão aqui é mesmo a questão pessoal da minha parte em que se começo a trabalhar em algo que adoro, essa coisa começa a ser um trabalho e não um hobbie, por isso tento não misturar as coisas. Adorava, é o que estou a tentar por tudo trabalhar em algo que goste, mas não em algo que me fascine, porque tenho receio que, sendo como sou, comece a perder o encanto por isso mesmo ao torná-lo num trabalho... Estás a ver mais ou menos onde quero chegar com a minha personalidade paradoxa?

      ADORAVA trabalhar numa livraria, mas tenho imenso medo que depois tornasse os livros "banais". Trabalho agora no verão no cinema, e já não vejo tantos filmes como via antes e só vou mesmo ver filmes ao cinema se tiver MUITOOO interesse, pois fora isso já nem tenho muita paciência.

      A vantagem é que tive meses sem ler e só via filmes, e agora voltei a ler =P
      Sou tão confusa... xD

      Eliminar
    3. Pois, eu percebo o que queres dizer. Além de que esta coisa de trabalhar em casa, sem patrões ou horários estabelecidos não é coisa nada fácil e obriga a uma disciplina imensa. No entanto, pela parte que me toca, adoraria poder abandonar o trabalho que paga as contas e dedicar-me a este espaço que tanto me apaixona todos os dias.

      Fico muito contente por saber que estás a trabalhar! E logo num Cinema! Agora percebo porque tens visto tantos filmes :p

      Eliminar
    4. Sim eu compreendo a tua parte, também não me importava nada, desde que a pressão, a obrigação aliada à minha paixão funcionasse bem :)

      Eliminar

Obrigada pela visita e pelo comentário. Terei todo o gosto em responder muito em breve.
*Não esquecer de marcar a caixinha para receber notificação quando a resposta ficar disponível.
Até breve!