Subscreve a Newsletter Semanal

domingo, 29 de setembro de 2013

Amor Electro e Simone


A isto eu chamo talento.
Da extravagante Mariza Liz que soube, como já é habitual, dar o devido valor a cada palavra de um poema lindíssimo.
E do brilhante Tiago Pais Dias que faz música como ninguém e tornou esta música numa coisa actual sem lhe retirar a beleza. Ao contrário, só acrescenta notas de beleza.
 
E aqui vê-se, sente-se e ouve-se música.
É preciso muita coragem e muita paixão pela arte para se fazer uma coisa destas.
Só a grande Simone para nos dar um momento destes. Porque esta mulher deita musicalidade por cada poro. E assim será até ao fim, com certeza.

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Mudança súbita


Estou a falar deste tempo, como está bom de ver.
Assim de repente, sem aviso prévio, passamos de um belo tempo ensolarado para um tempo invernoso com direito a chuva e trovoada.
Num dia andamos de sandálias, manga cava e de vidros abertos nas viagens de carro. No seguinte, passamos para calçado fechado, casacos e guarda chuva.
Nem nos dá tempo para nos prepararmos gradualmente. Com calma para a malta não se assustar.

A outra mudança súbita aconteceu quando mudei de cidade assim de repente. Do Norte para o Sul. Num passe de mágica.
Esta mudança traduz-se numa outra que acontecerá este Domingo.
É dia de eleições autárquicas. Mas, pela primeira vez, não irei exercer esse meu direito de voto.
A classe política não tem merecido a nossa confiança. Acho que todos sentimos uma descrença nos políticos do nosso país. E sinto também que, para muitos, não merecem que se percorra os poucos metros de distância para ir votar. Nem que se perca horas úteis do nosso Domingo. Agora pensem percorrer quase 300 km para cada lado apenas para votar.
Vou ficar em casa, portanto, por razões óbvias.
Mas tenho cá para mim que a abstenção deste ano será ainda maior do que tem sido nos últimos anos...

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Happy Birthday BFF!



Para a melhor amiga que alguém pode ter.
Para a pessoa que é o meu eterno e mais antigo porto de abrigo. Sempre lá. Perto ou longe. Certa ou errada. Para o bem e para o menos bom. Porque o mal não é para nós.
A companheira de todas e das melhores loucuras.
Porque para nós a distância não perturba. Tudo alimenta esta nossa amizade. Os bons momentos para recordar e as fossas para esquecer.
Que este dia seja perfeito. Com todos os bons que nunca nos abandonam.
Não estarei presente desta vez. Mas o meu pensamento é teu, hoje.
Happy Birthday, girl!

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Book on


A entrar em modo off para devorar mais um livro recém chegado cá a casa.
Um romance histórico será o eleito, de um autor que nunca li antes: Michel de Grèce.
Este senhor especializou-se em romances históricos e a personagem que me veio parar às mãos foi Joana d'Arc.
Já lerem este ou outro dos romances deste autor?
Depois venho cá contar-vos como correu esta viagem pela História.

Mais um que se casa


Parece que foi mesmo desta que me vi livre da maior pedra no meu sapato dos últimos anos. Talvez mesmo a maior de sempre.
Este mês o meu ex namorado mais chato da história dos ex namorados casou-se.
O rapaz já tinha sido casado, portanto foi um casamento apenas no civil. Mas, tanto quanto pude perceber pelas fotos, foi uma coisa bem brega. Teve pouco aspecto de casamento. Pelo menos, dos casamentos dos quais estamos habituadas a sonhar.
O que só me faz ter pena da rapariga que deveria merecer um pouco mais. Principalmente pelo que irá ter de aturar.
Longe de mim estar aqui a agourar a vida a dois deste casalinho.
Pelo contrário, só lhes desejo muitas felicidades e muitos anos de amor e idílio. De preferência, para todo o sempre. Principalmente para o bem dela que não sabe o que a espera no dia que quiser lhe colocar os patins nos pés e dar ao slide. Que esse dia nunca chegue, portanto.
E VIVA OS NOIVOS! :)

domingo, 22 de setembro de 2013

O sonho da minha mãe



Fosse eu uma mulher rica, e teria o grande prazer de concretizar o sonho da minha mãezinha.
Desde muito cedo que quis um brinquedo destes. A história de construir uma casa na terra foi adiado pelas reticências dela que preferia uma casa com rodas para correr o mundo sempre com um tecto para a abrigar em qualquer paragem. A casa venceu, no fim das contas. Mas os sonhos não morrem. Ficam connosco até ao fim. E sei que a faria feliz com uma coisinha destas. Por muito modesta que fosse.

E para mim, uma eterna apaixonada por viagens e pela ideia de correr o mundo de fio a pavio, esta talvez fosse uma forma divertida de o fazer. Pelo menos seria uma forma diferente para começar a aventura... Agora é esperar pelo euromilhões para comprar um bichinho destes e largar por esta Europa fora!

sábado, 21 de setembro de 2013

Sol de Inverno



Deixo desde já esclarecido que acho inegável o talento musical de Luciana Abreu. O talento para actriz já é mais discutível, mas não é sobre isso que se trata.

Posto isto, refiro que gostava de ouvir o música completa. Não apenas o mesmo refrão repetido duas vezes como se encontra pela Internet. Para conseguir compreender melhor a interpretação desta mulher do norte era necessário, na minha opinião, ouvir tudo. Para perceber para onde ela leva a música. E para onde a música a consegue levar.

Este tema é um clássico da nossa música. Uma coisa tão bela que arrepia e se torna intemporal. Isto parece-me um facto.
Também considero quase impossível que a Luciana Abreu cante mal. Ela canta bem. Tem uma extensão vocal imensa. No entanto, nem sempre é necessário mostrar isso mesmo para emocionar.
E aqui, no Sol de Inverno, acho que ela exagerou um pouquinho. Talvez tenha-lhe sido pedido isso mesmo. Ou tenha sido a forma que ela própria preferiu escolher. Mas, para mim, gritar um pouco menos teria ficado óptimo.
Por tudo isto compreendo as críticas da nossa Simone. Ela que, no auge da sua carreira e ainda dona daquela voz poderosa, fez deste tema parte de si própria. A Simone cantou também no limite em determinados momentos do tema. Mas ganha, a meu ver. Pela dicção impecável que a nossa Lucy não tem nem de perto nem de longe. E, principalmente, porque em nenhum momento grita. Mantém o controlo e canta até à última nota.
Ora fiquem com o original e digam-me de vossa justiça!


sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Vamos a Itália?


O Inferno já está devorado. Desta vez demorei mais do que o costume porque precisei fazer algumas paragens para descansar e trabalhar.
O balanço é mais do que positivo. O livro é de cortar a respiração. Quando achamos que percebemos alguma coisa, vem um novo capítulo trocar-nos as voltas todas. Prende-nos efectivamente até à última página.
E, como aconteceu nas anteriores aventuras de Langdon, fiquei a morrer de vontade de viajar até Itália. Desta vez, Florença foi o palco principal. E seduziu-me de uma forma inacreditável.

Como o meu destino de sonho ainda é uma coisa um tanto ou quanto inalcançável no futuro imediato, estou a pensar seriamente em planear uma viagem por uma das cidades italianas tão repletas de cultura e obras de arte a cada esquina. O difícil será escolher por qual começar. E ainda mais difícil, encontrar um guia que nos envolva de forma tão profunda quanto Dan Brown consegue nas páginas dos seus livros.

Aceitam-se sugestões das meninas que por lá andaram para começar a planear esta viagem. Qual a cidade ideal para começar? Quais os locais a não perder? Onde comer? Tudo e tudo e tudo.
E aceito também candidatas para me acompanhar nesta doce loucura! Vamos nessa? ;)

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Assim fica difícil ser milionário!

 

 
Vejam só esta pérola. Este exemplo da cultura geral.
Com calinadas destas, só podemos rir. Mas o facto é que não tem graça nenhuma.
 

Fotos... muitas fotos


É verdade que gosto de moda. Gosto de trapinhos e acessórios e de ver combinações arrojadas ou apostas seguras. Por isso me perco, por vezes, em lojas online e vou imaginando as peças que vou querer no meu armário no decorrer da estação.
E esta onda de blogs dedicados ao tema são uma excelente fonte de inspiração. Dá para ver, muitas vezes, a aplicação das tendências que vemos nas passerelles no dia a dia em pessoas comuns. Como nós. Que vão trabalhar. Que têm almoços/jantares de trabalho. Ou de amigos. Gente com vida própria quando nem sempre é assim tão óbvia a escolha quanto ao look ideal.
Gosto de ver interpretações diferentes da minha. De ver ideias novas. De imaginar o que posso fazer com o que habita no meu armário. E para isso as fotos são cruciais.

Agora a questão é que, a meu ver, mil e duzentas fotos de roupa e afins não são argumentos suficientes para me ligar de forma fiel a um blog. Seja ele famoso ou não. Conceituado ou por descobrir. Se pretendesse ver fotos apenas abriria uma conta no Instagram. A minha ideia de blog - que não tem de ser consensual, é apenas a minha opinião - tem de incluir palavras. E, de preferência, com qualidade de escrita e com verdade, emoção.

Sim, é giro ver uns looks cheios de fotos bonitas. Mas é bom saber que essa pessoa tem algo que desperte o interesse para além da imagem exterior. Porque será esse algo mais que irá prender a atenção das pessoas. Pelo menos, é isso que fideliza pessoas como eu a um determinado blog.

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Gente informada deste Portugal


É favor ajudar esta jovem solidária a esclarecer a sua dúvida pertinente e de grande interesse para todos nós que entendemos que ajudar o próximo é essencial e regenerador.
Confesso que estou longe de dominar o assunto, por isso vos peço ajuda.
Respondam com os vossos importantes conhecimentos ou partilhem para que a resposta lhe chegue rapidinho, ok?
Obrigada e um beijo!

domingo, 15 de setembro de 2013

Domingo milagroso


O Domingo é aquele dia meio entediante em que não se passa nada. O fim de semana está a dar as últimas e já se consegue avistar a temível Segunda feira.
E para melhorar a coisa, nada como esta nova vaga de programas deprimentes que os canais generalistas nos metem pelos olhos a dentro. Muita música popular, artistas do povo - alguns que nem nunca ouvi falar - e a falsa pretensão de nos mostrar a cultura de outras regiões do país. Tudo muito mal aproveitado. Já sem falar naquela lavagem cerebral que nos tentam fazer. Estou a falar das chamadas milagrosas que nos podem dar uns quantos euros aliciantes. O chamado dinheiro fácil e que, nesta altura do campeonato, tanta falta faz a tanta gente. Não é que seja contra. Pelo menos alguém recebe uma quantia generosa e que certamente lhe vai dar bastante jeito. O que me incomoda é a insistência a que obrigam os apresentadores. Sempre a falar naquilo. Sempre a seduzir os telespectadores para investirem nas chamadinhas milagrosas. Acho francamente desnecessário. E até desagradável.

sábado, 14 de setembro de 2013

Ao que eu cheguei


Depois de um dia de trabalho, passo a noite de Sábado em casa. O tempo divide-se entre o Facebook e o Blogger. Ambos mortos como é comum num qualquer Sábado à noite. Depois temos a possibilidade de ver televisão no sofá. E fumar cigarros à varanda. Com vista privilegiada para um ménage à troi canino.
Ao que eu cheguei...

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

VFNO tão perto


E ainda não foi desta que lá fui espreitar.
Nas últimas edições não pude comparecer pois os quilómetros que me separavam da capital eram largos. Mas a vontade de por lá passear sempre foi mais que muita.
Este ano só uma ponte nos separava. E, ainda assim, não foi possível dar um ar de minha graça.
É como morrer na praia. Mesmo quase a chegar.
Ok, estou a dramatizar um pouco a coisa, além do mais, os euros disponíveis são escassos para andar a gastar em trapinhos e coisas que tal. Mas como para olhar ainda não se paga e sempre faz bem ver coisas bonitas, não se perdia nada.
Lá terá de ficar para a próxima edição! Não me escapas VFNO!

Mas vocês, suas fashionistas - sim, isto foi com um ligeiro toque de inveja -, que por lá andaram, contem-me tudo! O que viram? Quais as tendências que vos seduziram? E as promoções valeram a pena? Contem-me das vossas ideias brilhantes e das compras inteligentes! ;)

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Novos horizontes


Já me tinha esquecido como é bom falar com pessoas diferentes.
Com assuntos novos.
Tudo é novidade.
Mas o melhor deste novo caminho é, de facto, o novo horizonte que me proporciona.
Ainda não está perfeito.
Talvez nunca se torne perfeito.
Nem tão pouco acredito na perfeição.
Mas está em crescendo.
Cada vez melhor.
E que assim continue.

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Ideias, muitas ideias



Uma das descobertas a sul é a exorbitância de preços que pedem por uma tatuagem simples e pequena. É só quantias malucas que até nos deixam tontos.
Até à data só tenho uma. Mas um dos projectos é aumentar este número. Apesar de saber apreciar aqueles trabalhos mais artísticos, cheios de imagens trabalhadas e com muita cor não é coisa que me imagine a fazer no meu corpo. Prefiro coisas mais simples e discretas. Até porque o meu trabalho não combina com essas coisas escandalosas.

Agora um dos locais que me despertaram o interesse foi este aqui em baixo:

 
Não pretendo tatuar propriamente amor ou love nem nenhuma dessas variantes fofinhas. Mas a ideia é ser uma coisa assim curta e grossa. Até porque o espaço não é muito.
Mas está certamente no topo da minha lista. O que vos parece? Gostam da ideia?
E quanto à dor de fazer a coisa? Alguém já experimentou? É muita ou aguenta-se bem?
Contem-me tudo e não me escondam nada! ;) 

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Finalmente o Inferno



Aqui está o meu objecto de desejo dos últimos tempos. O Inferno de Dan Brown aterrou por fim na minha mesa de cabeceira. Emprestado, mas isso não interessa nada. O importante é que vou poder devorá-lo e matar a minha curiosidade sobre mais esta aventura de Langdon. Mal posso esperar!
Em breve partilho a minha opinião com vocês!

domingo, 8 de setembro de 2013

Back to work


Amanhã começa uma fase decisiva.
É chegado o momento de agarrar nesta oportunidade e mostrar o meu valor.
Por variados motivos. Porque é importante mostrar ao novo patrão que sou uma aposta ganha. Porque preciso me dar bem para que os euros voltem à minha conta bancária no final do mês. Para conhecer gente nova e conseguir integrar-me sem ondas. E também para que os que ficaram para trás, no outro escritório, ganhem verdadeira consciência da pessoa que perderam.
Este último motivo pode ser considerado uma forma de ostentação. De soberba. É apenas uma questão de orgulho. O meu pecado capital predilecto. Não preciso passar por cima de ninguém nem me acho superior. Apenas não admito que me menosprezem. Muito menos que me tentem fazer de ponte para o seu próprio sucesso. É chegado o momento de dar o primeiro passo nesta minha nova vida.
Acredito que com trabalho, dedicação e esforço lá chegarei. Mas um pouco de sorte nunca fez mal a ninguém, portanto, que ela não se faça de rogada e dê um ar de sua graça.

sábado, 7 de setembro de 2013

Os vizinhos


Nesta nova aventura de regressar à vida num apartamento, uma das coisas mais complicadas de lidar é com os vizinhos mais próximos.
Até porque nos 15 anos em que vivi num apartamento em plena capital, a vizinhança era constituída por pessoas que se conheciam desde sempre. Era a única criança no prédio e a vizinha de baixo era amiga de infância da minha mãe. Tudo isto facilitava a convivência. A minha mãe tinha o cuidado de não deixar a malta abusar no barulho. A vizinha não se importava com algumas perturbações da tranquilidade.
Já a vizinha do lado era uma senhora sem filhos e com uma paciência infinita para mim. Logo, não se importava nada com as tais perturbações. Pelo contrário, até contribuía.
Para melhorar a minha experiência, vivia no último andar e portanto nunca tive de me preocupar nem chatear com malta barulhenta. Tudo tranquilo.

Actualmente, nesta adaptação à vida na cidade, vivo num prédio pequeno. Só com dois andares e com alguns andares vazios. Moro no meio, mas nenhum dos andares de baixo está habitado, logo não tenho de me preocupar muito com móveis a arrastar, coisas a cair no chão, os passos da cadela ou os saltos altos a ecoar no andar de baixo.
O vizinho do lado é uma paz que a malta nem dá por ele. Vive sozinho e tem o máximo de cuidado para não fazer barulho - cuidado exagerado até, diria eu. Raras foram as vezes em que o ouvi meter a chave na fechadura. Até aqui tudo perfeito.
A coisa muda de figura quando passamos a falar dos vizinhos de cima. Um casal jovem, muito simpático. Mas barulhentos que é uma coisa por demais. São onze horas da noite e ouve-se os móveis a serem arrastados, gente a caminhar com convicção e a falar como se fosse meio dia e o sol brilhasse lá fora. E assim tem sido, com mais ou menos intensidade, todos os dias desta semana.

De facto, não é coisa que me tire o sono. Consigo adormecer perfeitamente com estes ruídos de fundo. Além disso, é sábado e não tenho pressa para ir para a cama.
O que, efectivamente, me faz comichão é a falta de respeito. A falta de cuidado.
Mas não me posso queixar. Se em cinco possíveis vizinhos, só um deles é que incomoda um bocado é porque não estou assim tão mal...

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Yuppi!!!


Só para dizer que estou em estado de animação total. Em festa. Em êxtase. E coisas assim do género.
A partir de 2ª feira, começo a trabalhar. Melhor dizendo, volto a trabalhar. O escritório, o patrão e as colegas são diferentes. A empresa e as minhas funções serão as mesmas.
Agora venha de lá o fim de semana para comemorar e curtir e soltar a franga...

(Sugestões para a margem sul serão bem recebidas!)

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

A tortura


Isto de estar tanto tempo em casa é uma verdadeira tortura!
É que eu até gosto de passar alguns momentos entre portas, na minha paz, sem ter de ser simpática ou socializar com ninguém. São os meus momentos de permanecer dentro da carapaça.
Mas com conta peso e medida. Assim uma semana inteira, sempre com as mesmas pessoas - e animais - dá-me cabo dos nervos. O excesso de convivência dificulta qualquer harmonia familiar. Principalmente quando as pessoas em causa são portadoras do tão falado mau feitio.

A minha esperança agora reside no dia de amanhã. Que espero me faça sair de casa e ver gente e falar com ainda mais gente.
Será a única forma de restaurar a tal harmonia familiar e económica, já agora.

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

I'm back


Cá estou eu de regresso em força à blogosfera.
A mudança, na sua maioria, está concluída. Estou instalada e pronta para tudo.

Agora é preparar-me para a reunião de amanhã sobre o curso que me vai dar conta de todos os neurónios vivos que me restam.
E constatar a disponibilidade para o part time que tanta falta faz no meu orçamento.
Já sem falar que tenho de me voltar a habituar a viver num apartamento. Eu e a minha cadela.

Em falta ficou o aniversário aqui do estaminé que ficou um tanto esquecido por entre tantas malas e sacos e tempo que não chegava para nada.
Foi no dia 29 de Agosto que comecei esta viagem e tem sido um prazer cada minuto que com vocês tenho partilhado. Obrigada a todos. Àqueles que já considero como amigos e que por cá vão deixando os seus comentários cheios de força e ânimo. E também aos que apenas põem os olhos nas palavras que aqui vou depositando. Sem cada um de vós isto não teria a mesma piada. Não seria a mesma coisa.
Posto isto, falta anunciar que já temos vencedora para o Passatempo que assinalou esta efeméride.
Para saberem tudo, é favor consultar o blog parceiro Crónicas Solidárias.

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Dia novo, vida nova


Amanhã, dentro de poucas horas, estarei de partida. Malas aviadas, casa arrumada e fechada e um capítulo que se encerra. Um outro, novo em folha, que se abre.
Quero agradecer a todos os meus amigos do coração, aqueles mesmo à séria, pelo jantar fantástico de sábado à noite. Levo-vos a todos, um por um, comigo. No meu coração e nas minhas melhores lembranças.

Quando voltar a estas paragens, espero já estar em modo quase normal. Com tempo para partilhar mais coisas com vocês e também mais disponível para os vossos cantinhos.
Amanhã é um novo dia de uma vida nova.
Mas hoje é preciso descansar e preparar-me definitivamente para esta partida...
See you soon.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...