expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Subscreve a Newsletter Semanal

terça-feira, 19 de março de 2019

Vamos falar sobre a Catalunha?


Vamos falar sobre a Catalunha?

Já estás careca de saber que sou pessoa que gosta de pensar e debitar opiniões sobre Política e não poderia deixar passar em branco o que anda a acontecer nos últimos tempos aqui ao lado, em Espanha. Refiro-me ao movimento independentista da Catalunha que quer-se ver livre dos grilhões espanhóis e tornar-se dono do seu nariz. 

Apesar das condicionantes pelos tempos que vivemos, inseridos na União Europeia e com uma moeda única, não posso deixar de sentir uma certa simpatia por este desejo. Afinal, houve uma época em que Portugal também se sentia com ímpetos de independência e com pouca vontade de se ficar por mais uma província de Espanha. Obstáculos também foram colocados e levou muito tempo, batalhas e sangue derramado para que este país fosse reconhecido como tal. 

Podes ler também És de Esquerda ou de Direita?

Por outro lado, se pensarmos na possibilidade do Algarve, por exemplo, começar a clamar por ser independente, percebemos o desagrado de quem manda em Espanha. Dividir só enfraquece, enquanto que a união deveria ser um factor de força acrescida. O problema é que aconteceu a todas as regiões que formam a Espanha serem absorvidas pela cultura e pelo poder de Castela, perdendo importância e, de certo modo, muito da sua identidade própria. Em suma, o que temíamos que acontecesse com Portugal quando perdemos a nossa independência em 1580 aconteceu às restantes coroas. 

Percebendo ambos os lados da barricada, o que não consigo aceitar é que se prendam pessoas apenas por que desejam a independência. Está para lá do meu entendimento que se compactue com isto, quando estamos em pleno século XXI e nos dizemos tão civilizados e somos tão críticos, sempre prontos a julgar actos que aconteceram noutras épocas com consciências bem diferentes da que hoje temos. As hipocrisias do ser humano não deixam de me surpreender e os interesses de cada um são mais importantes na hora da tomada de posição. 


Não entendo porque se tem de proibir um referendo, dando-lhe uma importância e uma visibilidade desnecessária. Não compreendo porque se prendem políticos que defendem as opiniões de quem os elege. Percebo porque nenhum país pode apoiar estes movimentos, mas não era necessário fecharem totalmente os olhos às injustiças que parecem acontecer com os nossos vizinhos. 

Estou longe de ser a maior entendida em assuntos desta gravidade e não sou propriamente muito interessada pelo que acontece em Espanha, mas apetecia-me muito divagar um pouco sobre este assunto tão polémico e dividir contigo as minhas interrogações sobre este caso que nos faz duvidar se ainda existem presos políticos na civilizada e moralizadora Europa. 

Conta-me, o que pensas sobre este assunto? Estás contra ou a favor da independência da Catalunha? Até que ponto isso pode afectar o que se passa em redor? 

segunda-feira, 18 de março de 2019

A Banda Sonora Semana #45


A Banda Sonora Semana #45 com referências ao Dia do Pai e uma música de Chris Isaak

Esta vai ser uma visita rápida, para cumprir calendário e não permitir que fiques sem novo conteúdo por mais de uma semana. A vida sucede e ocupa o pouco tempo livre que me resta, obrigando a que a ginástica que faço para alimentar este blog esteja a um nível acima da média. Mas nada que me impeça de continuar por cá, com a mesma paixão e determinação de sempre. 

Efemérides de 18 de Março


1865 - Paraguai declara guerra à Argentina. 
1965 - O astronauta soviético Aleksei Leonov torna-se o primeiro homem a caminhar no espaço. 
1858 - Nasceu Rudolf Diesel, engenheiro alemão. 
1314 - Morreu Tiago de Molay, último grão-mestre dos Templários. 

A Banda Sonora Semana #45 com referências ao Dia do Pai e uma música de Chris Isaak

Como disso, não me irei alongar hoje, mas amanhã é Dia do Pai e não poderia deixar a passar a data sem voltar a referir o homem maravilhoso que tive a sorte de ter como pai. Para não me repetir, remeto para o que escrevi no dia do seu aniversário. 


E para música da semana temos o tema mais famoso de Chris Isaak, Wicked Game, apenas e só porque me apetece ficar a ouvi-la em loop pelos próximos dias! Conheces esta música? Preferes esta versão ou algum dos covers (infinitos) que já foram feitos? 

segunda-feira, 11 de março de 2019

A Banda Sonora da Semana #44


A Banda Sonora da Semana #44 com uma Autobiografia de Garibaldi e uma música de Eros Ramazzotti e Tina Turner

Não sei quanto a vocês, mas pela parte que me toca já podia muito bem ser fim do mês e, ainda assim, já iria chegar tarde. É o que dá colocar tudo a acontecer ao mesmo tempo. São muitas festas a acontecer ao mesmo tempo e é fácil perder a conta e entrar por caminhos apertados. Portanto, agora que as celebrações do Dia da Mulher chegaram ao fim, nada como apertar o cinto para chegar ao final do mês sem entrar no vermelho. Estamos juntos?

Efemérides de 11 de Março


Dia da Restauração da Independência da Lituânia
1985 - Mikhail Gorbachev é eleito secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética. 
2004 - Série de ataques terroristas cometidos em Madrid provoca 191 mortes. 
1544 - Nasceu Torquato Tasso, poeta italiano. 
1963 - Nasceu Marcos Pontes, astronauta brasileiro. 
1955 - Morreu Alexander Fleming, cientista britânico.

A Banda Sonora da Semana #44 com uma Autobiografia de Garibaldi e uma música de Eros Ramazzotti e Tina Turner

A vida acontece e confesso que não tive muito tempo para procurar mais e melhores inspirações, por isso vou-te deixar com um livro que se encontra na minha mesa de cabeceira e cuja leitura está em andamento e que muito prazer me tem dado. Depois de ter lido um romance sobre os heróis Giuseppe e Anita Garibaldi, não resisti e tive de pôr as mãos nas Memórias Autobiográficas do lendário italiano. Parece-te uma boa escolha? 


Só para nos mantermos em Itália, partilho uma música que faz parte das memórias da minha infância. Duas vozes inconfundíveis e uma música fantástica. Também gostas? 

sexta-feira, 8 de março de 2019

Uma noite com... #159


Uma noite com... #159 com Rui Unas

Uma noite com... #159 com Rui Unas

Uma noite com... #159 com Rui Unas

Uma noite com... #159 com Rui Unas

Uma noite com... #159 com Rui Unas

Uma noite com... #159 com Rui Unas

Uma noite com... #159 com Rui Unas

Uma noite com... #159 com Rui Unas

Uma noite com... #159 com Rui Unas

Uma noite com... #159 com Rui Unas

Rui Unas
Também conhecido como o Lord e proprietário do melhor canal de Youtube português.

Podes ver os gatos das semanas anteriores aqui.

quinta-feira, 7 de março de 2019

Livros para ler no Dia da Mulher (e não só)


Livros para ler no Dia da Mulher (e não só)

Numa altura em que tanto se fala das desigualdades entre homens e mulheres e dos abusos físicos e psicológicos que estas sofrem, tanto nas relações profissionais como nas pessoais, quer-me parecer que é ainda mais pertinente celebrar o Dia da Mulher e reflectir sobre o caminho que ainda falta percorrer e as lutas que ainda são necessárias travar. 

Porque para além da futilidade dos jantares e das sessões de striptease masculino, existe uma mensagem muito importante e essencial para o futuro que queremos enquanto sociedade civilizada. É por isso que defendo que a existência de um Dia da Mulher ainda faz sentido, hoje mais do que nunca. Partilhas da minha opinião sobre este dia? 

Só que hoje é de livros que quero falar contigo. Nada como reunir alguns livros que fazem todo o sentido para este Dia da Mulher e com eles pensar no papel da mulher. Seleccionei alguns clássicos, mas também livros mais recentes para criar esta lista de leituras que quero fazer nos próximos tempos. 

1. Vox, de Christina Dalcher


Livros para ler no Dia da Mulher (e não só) - Vox, de Christina Dalcher

Estados Unidos da América. Um país orgulhoso de ser a pátria da liberdade e que faz disso bandeira. É por isso que tantas mulheres, como a Dr.ª Jean McClellan, nunca acreditaram que essas liberdades lhes pudessem ser retiradas. Nem as palavras dos políticos nem os avisos dos críticos as preparavam para isso. Pensavam: «Não. Isso aqui não pode acontecer.»

Mas aconteceu. Os americanos foram às urnas e escolheram um demagogo. Um homem que, à frente do governo, decretou que as mulheres não podem dizer mais do que 100 palavras por dia. Até as crianças. Até a filha de Jean, Sonia. Cada palavra a mais é recompensada com um choque eléctrico, cortesia de uma pulseira obrigatória. 

E isto é apenas o início. 

2. O Segundo Sexo, de Simone de Beauvoir


Livros para ler no Dia da Mulher (e não só) - O Segundo Sexo, de Simone de Beauvoir

Mais de 50 anos volvidos sobre a sua primeira publicação, os temas que Simone de Beauvoir discute neste célebre tratado sobre a condição da mulher continuam a ser pertinentes e a manter aceso um debate clássico. Entretecendo argumentos da Biologia, da Antropologia, da Psicanálise e Filosofia, e outras áreas do saber, O Segundo Sexo revela os desequilíbrios de poder entre os sexos e a posição do «Outro» que as mulheres ocupam no mundo. 

O Segundo Sexo é uma obra essencial do feminismo, e as suas considerações acerca dos condicionamentos sociais que levam à construção de categorias como «mulher» ou «feminino» - e que estão na base da opressão das mulheres - são hoje amplamente aceites.

3. A História de Uma Serva, de Margaret Atwood


Livros para ler no Dia da Mulher (e não só) - A História de Uma Serva, de Margaret Atwood

Uma visão marcante da nossa sociedade radicalmente transformada por uma revolução teocrática. A História de Uma Serva tornou-se um dos livros mais influentes e mais lidos do nosso tempo. 

Extremistas religiosos de direita derrubaram o governo norte-americano e queimaram a Constituição. A América é agora Gileade, um estado policial e fundamentalista onde as mulheres férteis, conhecidas como Servas, são obrigadas a conceber filhos para a elite estéril. 

Defred é uma Serva na República de Gileade e acaba de ser transferida para a casa do enigmático Comandante e da sua ciumenta mulher. Pode ir uma vez por dia aos mercados, cujas tabuletas agora são imagens, porque as mulheres estão proibidas de ler. Tem de rezar para que o Comandante a engravide, já que, numa época de grande decréscimo do número de nascimentos, o valor de Defred reside na sua fertilidade, e o fracasso significa o exílio nas Colónias, perigosamente poluídas. Defred lembra-se de um tempo em que vivia com o marido e a filha e tinha um emprego, antes de perder tudo, incluindo o nome. Essas memórias misturam-se agora com ideias perigosas de rebelião e amor.

4. Mrs Dalloway, de Virginia Woolf


Livros para ler no Dia da Mulher (e não só) - Mrs Dalloway, de Virginia Woolf

Numa clara manhã de primavera, Clarissa Dalloway resolve sair para comprar flores para a festa que acolherá naquela mesma noite, em sua casa. Enquanto passeia pelas ruas de Londres, são recolhidas imagens, sensações e ideias, entrelaçadas com as personagens que habitam o seu mundo - do marido, Richard Dalloway, à filha, Elizabeth, e a Peter Walsh, amigo de juventude acabado de voltar da Índia - e que com ela se cruzam - como Septimus Warren Smith, veterano da Primeira Guerra Mundial assombrado pela doença mental. 

Romance que revelou em pleno o talento de Virginia Woolf, a sua perspicácia, a sensibilidade transparente e, sobretudo, a arte suprema de descrever os segredos das almas - não os actos mas as sensações que eles despertam - fazem de Mrs Dalloway uma obra-prima indiscutível da literatura universal.

5. A Cor Púrpura, de Alice Walker


Livros para ler no Dia da Mulher (e não só) - A Cor Púrpura, de Alice Walker

Vencedor do prémio Pulitzer e o National Book Award, A Cor Púrpura foi adaptado ao cinema em 1985 por Steven Spielberg e nomeado para 11 Óscares. 

A Cor Púrpura aborda temas como a violência doméstica a que estavam sujeitas as mulheres negras no início do século XX, a relação dos negros com o seu passado de escravatura, e a busca do espiritual num mundo cruel e sem sentido.

Um livro extremamente actual e que nos faz reflectir sobre as relações de amor, ódio e poder, numa sociedade ainda marcada pelas desigualdades de géneros, etnias e classes sociais.

6. Mulheres, de Carol Rossetti


Livros para ler no Dia da Mulher (e não só) - Mulheres, de Carol Rossetti

Existem mulheres negras, brancas, morenas, latinas, asiáticas, indianas, indígenas. Existem engenheiras, donas de casa, prostitutas, ministras, artistas, executivas, actrizes. Há mulheres cegas, surdas, mudas. Mulheres bipolares, deprimidas, ansiosas. Existem heterossexuais, lésbicas, bissexuais, arromânticas, pansexuais, assexuais. Mulheres cristãs, ateias, budistas, muçulmanas. Há mulheres que não são activistas, que nunca ouviram falar em feminismo, que nunca discutiram racismo. Mulheres que lutam de formas diferentes, a partir de ideias que não conhecemos.

Existem mulheres que têm vergonha de partilhar as suas escolhas por medo de serem julgadas. E existem mulheres que discordam de tudo o que eu disse até aqui. Cada Mulher tem a sua própria história, e acredito que todas merecem ser ouvidas e representadas. A minha abordagem será abrangente, convidando todos os que partilhem comigo essa ideia de liberdade a celebrar a diversidade do ser humano. 

7. Clube de Combate Feminista, de Jessica Bennett


Livros para ler no Dia da Mulher (e não só) - Clube de Combate Feminista, de Jessica Bennett

Parte manual, parte manifesto, O Clube de Combate Feminista é um guia humorístico - mas incisivo sobre como lidar com o sexismo subtil no mundo do trabalho - que oferece conselhos de carreira para a vida real e reforço de humor para todas as mulheres. 

Jessica Bennett providencia um novo vocabulário para os arquétipos sexistas que as mulheres enfrentam no mundo do trabalho - como o interruptor, o homem que fala por cima das colegas durante as reuniões, ou o imitador, que está sempre a copiar ideias - e fornece conselhos práticos para que as mulheres possam movimentar-se no campo minado do mundo laboral. 

Certeiro e divertido, O Clube de Combate Feminista mistura histórias pessoais com investigações, estatísticas, infográficos e conselhos de peritos, sem merdas. Com uma investigação histórica fascinante e um conjunto de dicas para a leitora criar o próprio clube de combate, este livro aborda os comportamentos externos (sexistas) e internos (auto-sabotagem) que assolam as mulheres hoje em dia.

Já conheces os livros que te sugeri? Qual o que queres ler em primeiro lugar?

segunda-feira, 4 de março de 2019

A Banda Sonora da Semana #43


A Banda Sonora da Semana #43 com um livro sobre Cristóvão Colombo, uma reflexão sobre o Dia da Mulher e a música vencedora do Festival da Canção

Já estamos em Março, mês da Primavera, mês das mulheres e do Dia do Pai e até do Carnaval este ano. Este vai ser um mês cheio de animação, a começar logo por esta semana que reúne em si o Carnaval e o Dia da Mulher. E se o primeiro não me empolga, o segundo é sempre um bom pretexto para jantar e beber uns copos com as amigas, não te parece? 

Efemérides de 4 de Março


1493 - Cristóvão Colombo chega a Lisboa após a viagem do descobrimento da América. 
1789 - Entra em vigor a Constituição dos Estados Unidos.
1394 - Nasceu Infante D. Henrique, príncipe português e impulsionador dos Descobrimentos.
1678 - Nasceu Antonio Vivaldi, compositor italiano. 
1193 - Morreu Saladino, sultão e líder militar de origem curda. 
1852 - Morreu Nikolai Gogol, escritor russo. 

A Banda Sonora da Semana #43 com um livro sobre Cristóvão Colombo, uma reflexão sobre o Dia da Mulher e a música vencedora do Festival da Canção

Nem de propósito, mas finalmente pus as mãos no primeiro livro de José Rodrigues dos Santos com o seu professor Tomás Noronha, e ele gira todo em torno da personagem misteriosa de Cristóvão Colombo e da sua descoberta da América para os reis de Castela. Muito apropriado para ficar como sugestão para esta semana, não te parece? Se ainda tens dúvidas podes ler a minha opinião aqui e encomendar o teu exemplar na Wook.

Entretanto, esta semana termina com o Dia da Mulher e presumo que a mulherada - entre as quais eu me incluo - já ande a preparar o programa para essa noite de forrobodó. Pela minha parte, este é mais um pretexto para reunir com as amigas e promover um jantar divertido, com boa comida e melhor bebida. No entanto, antes da festa gostava de te convidar a reflectir no significado e na importância desta data. Fiz uma reflexão sobre este assunto aqui, deixo-te o convite para leres e deixares a tua opinião, porque a piada é debater os temas!


Agora que já temos música para nos representar na Eurovisão em Israel, gostava de saber o que me tens a dizer de Conan Osíris? De que lado da polémica estás? Estamos bem representados ou vamos fazer uma triste figura?