expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Subscreve a Newsletter Semanal

sexta-feira, 31 de maio de 2019

Uma noite com... #162











Carloto Cotta
Actualmente a brilhar na nova novela da TVI, Prisioneira.

Podes ver os gatos das semanas anteriores aqui.

quarta-feira, 29 de maio de 2019

#Livros - Novidades para ler nas férias



Eu sei que comecei a semana a lamentar o final das minhas férias e, por isso mesmo, parece-me apropriado e motivador começar já a pensar nas próximas. Sem pensar em destinos e planos demasiado concretos, o que melhor combina com a época de férias são os livros que queremos ler nessa altura onde temos mais tempo e disponibilidade. 

Eu procuro ler durante todo o ano, mas claro que quando não temos de cumprir horários laborais temos mais liberdade para agarrar e devorar os livros que mais desejamos. A minha lista de livros para ler é gigantesca, os que se encontram em lista de espera cá em casa também é considerável. Contudo, têm sido lançados tantos livros incríveis que decidi aqui partilhar a lista dos livros que vão directamente para a minha lista de desejos e que seriam excelentes sugestões para lermos nas próximas férias. 

1. Sophia de Mello Breyner Andresen, de Isabel Nery



A jornalista Isabel Nery traz-nos no seu novo livro, a primeira biografia de Sophia de Mello Breyner Andresen, no ano em que se assinala o centenário do seu nascimento. 

A autora percorreu lugares e pessoas que fizeram parte da história de Sophia, como o Porto, a Grécia, Lagos, ou entrevistando mais de 60 pessoas, do pescador José Muchacho, ao amigo Manuel Alegre, até ao ensaísta Eduardo Lourenço, passando por companheiros das letras e da política. 

Só assim foi possível completar a biografia que faltava sobre a primeira portuguesa a receber o Prémio Camões e a única mulher escritora com honras de Panteão Nacional, a quem muitos gostavam de ter visto atribuído o Prémio Nobel.

2. Lazarus, de Lars Kepler



Um homem é encontrado morto no seu apartamento em Oslo. Ao que tudo indica, a vítima era um desconhecido, saqueador de túmulos e coleccionador de troféus. Aliás, quando a Polícia abre o frigorífico da cozinha, a perplexidade é total. Uns dias mais tarde, Joona Linna é contactado por uma inspectora da Polícia alemã no sentido de o ajudar com um homicídio perto de Rostock, e Joona reconhece de imediato um padrão que não pode ignorar. 

Alguns chamariam de milagre se alguém regressasse dos mortos - outros chamar-lhe-iam um pesadelo.


3. Leonardo da Vinci, de Walter Isaacson



Arquétipo e símbolo do homem da Renascença, Leonardo da Vinci é universalmente reconhecido como o génio mais criativo e multifacetado da História. A sua criatividade, como aquela de grandes inovadores, nascia na intersecção entre as humanidades e a tecnologia. Esfolou rostos de cadáveres, desenhou os músculos que fazem mover os lábios, e depois pintou o sorriso mais memorável da História em Mona Lisa. Explorou a matemática da óptica, mostrou como os raios de luz atingem a córnea e produziu ilusões de perspectivas variáveis em A Última Ceia. No seu eterno entusiasmo pela encenação de espectáculos imaginava máquinas que subiriam aos céus, permitindo ao homem voar como os pássaros. 

Filho ilegítimo, à margem de uma educação formal, vegetariano, canhoto, distraído e, por vezes, herético, o Leonardo da Vinci retratado neste livro é uma pessoa real, extraordinária pela pluralidade de interesses e pelo prazer que tinha em combiná-los. 

Recorrendo a milhares de páginas dos impressionantes cadernos deixados por Leonardo da Vinci, e atendendo às mais recentes descobertas sobre a sua obra e trajectória de vida, Walter Isaacson revela-nos facetas desconhecidas do artista, desfazendo a aura sobre-humana que lhe é atribuída e mostrando como a genialidade de Leonardo se fundamenta em características bastante «humanas», moldadas por uma enorme vontade e ambição e assentes em habilidades que cada um de nós pode cultivar, não isentas de imperfeições e fraquezas.

Um livro indispensável, não só pela forma única de representar um dos grande génios da História da Humanidade, mas também enquanto demonstração da capacidade humana de inovar, da importância de aprender e questionar, de imaginar e, sobretudo, de pensar de maneira diferente. 

4. O Senhor, de E. L. James



Londres, 2019. A vida tem tratado bem Maxim Trevelyan. Com a sua beleza, dinheiro e relações privilegiadas, nunca teve de trabalhar e raras vezes dormiu sozinho. Mas tudo isso muda quando na sequência de uma tragédia ele herda a riqueza, as propriedades, e o título nobiliárquico da família com toda a responsabilidade que essa herança acarreta. É um papel para o qual não está preparado e que só a custo consegue enfrentar. 

Mas o seu maior desafio é conter o desejo por uma jovem enigmática que inesperadamente chegou a Inglaterra, trazendo consigo pouco mais do que um passado perturbante e perigoso. Tímida, linda de morrer e musicalmente sobredotada, ela revela-se misteriosamente tentadora. E o desejo que Maxim sente por ela transforma-se numa paixão que nunca experimentou e nem sequer se atreve a nomear. Quem é Alessia Demachi? E poderá Maxim protegê-la do mal que a ameaça? E o que fará ela quando souber que também ele esconde segredos? 

Do coração de Londres às paisagens idílicas da Cornualha, passando pela rude beleza dos Balcãs, O Senhor é uma montanha-russa de perigo e desejo, que deixará o leitor sem fôlego até à última página.

Podes ver também o meu Top 10 - Livros para ler nas férias

5. A Geografia do Infante D. Henrique, de Joaquim Ferreira do Amaral



As razões que levaram o Infante D. Henrique a conduzir com invulgar tenacidade um projecto tão exigente e tão prolongado como foi o dos chamados «descobrimentos» é uma questão que ainda hoje merece análise. 

Este projecto não constituiu um mero episódio fugaz, que tenha aparecido e logo depois desaparecido sem consequências permanentes. Pelo contrário, os descobrimentos deram origem a uma modificação radical da História da Humanidade, que se prolonga até aos nossos dias. 

Na base de tudo esteve sempre a geografia, que naqueles tempos era matéria muito difícil de conhecer em vastas zonas do globo. Na presente obra o autor procura compreender de que forma o Infante D. Henrique abordou esta questão, que era afinal decisiva para o sucesso do seu projecto. 

6. O Escândalo do Século, de Gabriel García Márquez



O jornalismo é a profissão que mais se parece com o pugilismo, com a vantagem de que a máquina ganha sempre e a desvantagem de que não nos é permitido atirar a toalha ao chão. 

O Escândalo do Século reúne cinquenta textos representativos do percurso jornalístico de Gabriel García Márquez, seleccionados pelo seu editor Cristóbal Pera. Nestas histórias, onde não se diferencia o jornalista do romancista, o leitor descobrirá um fascínio por enredos que desafiam a nossa ideia da realidade, umas vezes porque nunca iremos compreendê-los por completo, tais como o misterioso caso de Wilma Montesi, que dá nome a este livro; outras porque nos obrigam a olhar o mundo com novos olhos, abertos para se surpreenderem com as contradições, desgraças e maravilhas que governam o seu imprevisível mecanismo. 

Gabriel García Márquez, que se considerava mais jornalista do que escritor, deixou bem claro que o jornalismo foi sempre a sua paixão principal, a mais duradoura, e pelo que queria ser lembrado: «Não quero que me recordem por Cem Anos de Solidão, nem por aquilo do Prémio Nobel, mas sim pelo jornal.»


7. Serotonina, de Michel Houellebecq



Romance lírico, irónico, cruel, cirúrgico e profético, Serotonina é uma radiografia do futuro que nos espera, atravessada pelo olhar sempre provocador de Michel Houellebecq. 

Florent-Claude Labrouste tem quarenta e seis anos, é funcionário do Ministério da Agricultura e detesta o seu nome. Divide o apartamento na periferia de Paris com Yuzu, a namorada japonesa, muitos anos mais jovem. Cínico, profundamente desesperançado e intimamente só, tudo lhe parece insuportável: a França está à beira do precipício, a Europa ameaça ruir, a sua vida é um beco sem saída. 

A descoberta de uns vídeos comprometedores da namorada, que ele planeava há muito abandonar, leva-o a despedir-se de muito mais: deixa o emprego, a namorada e a casa, e aluga um quarto de hotel. Dedica os dias a divagar e deambular pelos bares, restaurantes e lojas da cidade. E descobre Captorix, um antidepressivo que liberta serotonina e lhe devolve a possibilidade de aguentar o dia-a-dia mas lhe rouba aquilo que poucos homens estariam dispostos a perder. 

Aproveita a ruptura radical para rememorar o passado: as aspirações e ideias de jovem agrónomo; as relações amorosas, de fim desastroso; a nostalgia de um amor perdido; e o reencontro com um velho amigo aristocrata, que o ensina a manusear uma espingarda. Entre passado e futuro, é-lhe forçoso contemplar, com uma feroz acidez, um mundo sem bondade, desumanizado, atingido por mutações irreversíveis. 

Com Serotonina, romance-profecia de um futuro pouco perfeito, Houellebecq reafirma-se uma vez mais como um cronista impiedoso da decadência da sociedade ocidental, um escritor indómito, incómodo e por isso imprescindível. 

8. O Homem Mais Rico do Mundo, de Jonathan Conlin



Escrita com total acesso aos arquivos da Fundação Gulbenkian, esta é a biografia de um homem complexo, no aniversário dos 150 anos do seu nascimento. 

Conhecido como o Senhor Cinco por Cento, a sua vida privada é tão elusiva e bizantina quanto a sua forma de negociar: as mulheres de que se fazia acompanhar, os negócios com Estaline, a forma como usava a sua mulher, a encantadora Nevarte, para aprofundar relacionamentos e alianças, a sua paixão por arte. 

Em Portugal e no mundo, o seu nome estará sempre associado ao mecenato e à maior e mais importante colecção privada de arte do país, exposta na Fundação Calouste Gulbenkian. 

Que livro vais ler nestas férias? Por qual deveria começar as minhas leituras? 

terça-feira, 28 de maio de 2019

#Places - Restaurante Tudo aos Molhos


#Places - Restaurante Tudo aos Molhos em São João da Madeira

Desde 2018 que não te trago sugestões de bons lugares onde se comer refeições memoráveis e não é por falta do que falar, posso assegurar-te. Anteriormente, desvendei-te onde podes comer as melhores francesinhas do mundo, isto é, na Taberna Belga, em Braga. Hoje, vou-te falar sobre um Restaurante incrível em São João da Madeira. 

Trata-se do Tudo aos Molhos, localizado bem no centro da cidade, mas longe da confusão e do trânsito, pois encontra-se numa zona pedonal. O conceito principal deste espaço está relacionado com os produtos da região envolvente, privilegiando e valorizando o que de melhor se pode encontrar por estas paragens. Aqui podes encontrar, incorporados nos pratos disponíveis, o famoso pão de Ul, o delicioso queijo de Ossela, a incomparável Vitela Arouquesa, entre muitos outros produtos icónicos. 

#Places - Restaurante Tudo aos Molhos em São João da Madeira

O espaço é de um bom gosto invulgar, acolhedor e também repleto de detalhes regionais e que combinam na perfeição com as sugestões e propostas da ementa. A sala é espaçosa e o serviço tem uma qualidade acima da média, pormenor que valorizo bastante dado que detesto ser mal atendida, especialmente em restaurantes. 

#Places - Restaurante Tudo aos Molhos em São João da Madeira

Já admiti que deixei de comer francesinhas que não sejam as da Taberna Belga, o que se tornou um tanto ou quanto aborrecido porque Braga não fica propriamente ao virar da esquina e implica alguma organização e disponibilidade. Até que descobri as francesinhas do Tudo aos Molhos e percebi que existia uma alternativa que, não sendo em nada parecidas com as primeiras, não me fazem sentir desiludida de forma alguma. 

Experimentei outras sugestões que podes encontrar na ementa, mas a minha sugestão para quem se inicia neste restaurante e nesta experiência de sabores regionais é a que comecem por provar a francesinha, ou melhor, uma das francesinhas pois podes encontrar alternativas para todos os gostos. 

Se for uma data especial, aconselho-te a reservar mesa para não correres o risco de acabar sem concretizar esta experiência gastronómica. No entanto, em dias normais, basta apareceres e deliciar-te com as maravilhas da cozinha do Tudo aos Molhos. Para saberes mais sobre este restaurante e obteres a localização exacta podes visitar a página no Facebook e deixar o teu like para não perderes as novidades e não te esqueceres de o visitar in loco. 

Conhecias o Restaurante Tudo aos Molhos? O que achas deste conceito onde se privilegiam os produtos da região? 

segunda-feira, 27 de maio de 2019

A Banda Sonora da Semana #50


A Banda Sonora da Semana #50 com um livro sobre Marketing Digital e a nova música de Tiago Nacarato

Eis senão quando hoje já é o meu último dia de férias e amanhã terei de regressar à rotina laboral, com a sensação de que me esqueci de tudo, embora saiba que não seja assim na realidade. Mas apesar de já estar de regresso a casa e a preparar-me psicologicamente para o dia de amanhã, não poderia ignorar que já estamos na quinquagésima edição d'A Banda Sonora da Semana. Dá para acreditar que já se passou tanto tempo e tantas ideias foram aqui partilhadas? Agora é trabalhar para que outras tantas e cada vez melhores venham nos próximos tempos, certo? 

Efemérides de 27 de Maio


Dia de Santo Agostinho de Cantuária. 
1994 - Alexander Soljenítsin retorna à Rússia, depois de vinte anos de exílio nos Estados Unidos. 
1877 - Nasceu Isadora Duncan, dançarina norte americana, precursora da dança moderna. 
1840 - Morreu Niccolò Paganini, compositor e violinista italiano.

A Banda Sonora da Semana #50 com um livro sobre Marketing Digital e a nova música de Tiago Nacarato

A sugestão literária que hoje te deixo é um livro prático e voltado para todos nós, que estamos cada vez mais presentes no digital e pretendemos utilizar estas ferramentas a nosso favor. Trata-se de Marketing Digital na Prática, de Paulo Faustino, e fiquei de olho nele desde que foi mencionado pela Dora Santos Marques, no seu canal no Youtube. Já conhecias este livro? Aconselhas? 

Podes ler também a opinião sobre o livro Ser Blogger 



A música da semana descobri também no Youtube e chamou-me a atenção pela combinação do nome da música e do artista em questão. Quando vi o título da canção, Sol de Inverno, pensei que o talentoso Tiago Nacarato tinha cantado uma versão da música imortalizada por Simone de Oliveira. Não podia estar mais enganada. A música é nova e da autoria do Tiago e fiquei rendida, mais uma vez, aos seus encantos. Já ouviste esta música? 

sexta-feira, 24 de maio de 2019