expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Subscreve a Newsletter

segunda-feira, 21 de setembro de 2020

A minha experiência com Uber Eats

 

A minha experiência com Uber Eats

Uma das grandes vantagens de viver numa cidade é ter acesso a uma série de serviços que nos meios mais rurais ou em cidades menos desenvolvidas não estão disponíveis. O pior é que depois da malta se habituar a estas mordomias é muito mais complicado voltar a não ter acesso, mesmo quando não o fazemos com uma frequência exagerada. 

É claramente o caso da comodidade proporcionada pela Uber Eats que nos entrega à porta de casa os pratos que mais amamos dos nossos restaurantes favoritos. Claro que também é possível encomendar directamente ao restaurante e ir buscar, mas o conforto que existe em poder ter uma variedade de oferta numa mesma aplicação e poder escolher e receber sem precisar tirar o pijama é coisa para lá de boa. 

Podes ver também a minha opinião sobre o Tudo aos Molhos

Já utilizava esta aplicação desde o final do ano passado, mas com a quarentena foi mesmo uma coisa útil que me permitiu escolher uma refeição especial sem ter de me preocupar com parar de trabalhar, vestir-me e tirar o carro para ir buscar ou comer fora, numa altura em que essa última parte nem era autorizada. Bastava aproveitar a pausa do cigarro para escolher o que pretendia e voltar para o trabalho enquanto a minha refeição era preparada e entregue de forma rápida e segura em minha casa. 

A minha experiência com Uber Eats - Portugália

Entretanto, o tempo tem passado e a pessoa habitua-se a ter esta ferramenta à disposição quando não se tem nada em casa ou quando simplesmente não apetece fazer nada. Foi o que aconteceu na semana passada, em que não apetecia nada do que havia em casa e o que vinha mesmo a calhar era um bife da Portugália. Aproveitei a oferta da taxa de entrega que a EDP me oferece mensalmente e tratei de encomendar o almoço do dia em menos de nada. 

Podes ver ainda a minha opinião sobre o Talho Central

A aplicação é altamente intuitiva e rapidamente podemos encontrar as promoções em vigor e os restaurantes aderentes a determinadas campanhas, bem como os nossos favoritos. É muito simples escolher o que desejamos encomendar, sendo possível dar indicações sobre como pretendemos que seja preparado. O pagamento também é automático, no meu caso utilizo o PayPal, e conseguimos acompanhar o percurso do nosso pedido desde a preparação até ao momento em que é levantado pelo estafeta que nos entregará no conforto do nosso lar. 

A minha experiência com Uber Eats - H3

Desde que efectuo o pedido até à entrega nunca aconteceu passar mais de trinta minutos, sempre dentro da hora prevista, chegando sempre bem acomodado, quente e delicioso. A foto acima foi de um pedido do H3, hamburgueria do demo que dá vontade de comer todos os dias, que, como podes confirmar, chegou numa embalagem prática, embora me preocupe a quantidade de plástico utilizado em todos os pedidos. 

É verdade que esta não é a melhor forma de ajudar a Restauração, sobretudo dos pequenos comerciantes, e não defendo que se deva utilizar em exclusivo. Contudo, reconheço a utilidade e praticidade destas aplicações no geral e da Uber Eats em particular, em momentos específicos e excepcionais. Sem contar que também nos oferece alguns descontos interessantes que incentivam à utilização sem prejudicar os outros intervenientes do negócio. 

Caso ainda não sejas utilizador desta aplicação, faz download e utiliza o código eats-37zyub e recebe um desconto de 10€ para utilizares em pedidos superiores a 15€. 


Para os utilizadores, contem-nos a vossa opinião na caixa de comentários. Tens uma boa impressão da Uber Eats? És dos que não vivem sem ela ou só utilizas ocasionalmente? 

quinta-feira, 17 de setembro de 2020

Top 7 Provas Cegas - The Voice Portugal | Season 4

 

Top 7  Provas Cegas - The Voice Portugal | Season 4

Estamos de volta para mais uma ronda de Provas Cegas do The Voice Portugal que é só o melhor do mundo! É certo que o programa vai voltar e já se encontra em contagem decrescente para a estreia mas, no entretanto, podemos continuar a relembrar o que de melhor já passou por aquele palco porque os concorrentes é que fazem, de facto, o sucesso do programa,  não achas? 

Posto isto, vamos rever os meus favoritos da quarta temporada que foi também muito fértil em talento e em concorrentes icónicos e inesquecíveis. Vens comigo? 

1. Edna - Equipa Aurea 

Este grupo de três vozes foi capaz de imprimir um cunho único e, apesar de terem existido outras tentativas depois, nunca ninguém foi capaz de igualar a qualidade e talento deste trio nem ultrapassar o seu legado. As suas harmonias e as escolhas melódicas são do que de melhor já pisou neste palco e dou comigo, com frequência, a rever esta Prova Cega. 


2. Hélia Castro - Equipa Marisa

Só consigo frisar a técnica, o talento e a maturidade desta voz que fez um brilharete como provam as quatro cadeiras que não lhe resistiram. Do melhor que por aqui passou no que ao canto lírico diz respeito! 


3. Catarina Castanhas - Equipa Aurea

Recordo-me desta miúda quando participou no programa da TVI, A tua cara não me é estranha, na versão kids, onde foi acompanhada pelo inacreditável FF e onde deu nas vistas pelo seu talento. Poucos anos se passaram e a menina voltou a arrebatar os nossos corações com uma Prova Cega digna de uma verdadeira diva. Quem se lembra desta miúda talentosa?


4. Raquel Monteiro - Equipa Anselmo

Uma voz bonita, com personalidade e potencial para investir na versatilidade, embora tenha escolhido um tema lindíssimo que interpretou de uma forma demasiado colada ao original e, talvez por isso, só tenha virado a cadeira do Anselmo. 


5. Bertílio Santos - Equipa Aurea

Aqui está uma voz como nunca vi, antes ou depois, no palco do The Voice. Aliás, penso que não existe ninguém semelhante em Portugal. Entre este seu timbre especial, a voz anasalada e o rouco não consigo decidir o que me apaixona mais no Bertílio. 


6. Maria Bradshaw - Equipa Marisa

Quem se lembra desta rapariga no tempos dos Ídolos? Eu tenho uma memória muito relacionada com o nome dela pelas ligações com a icónica Carrie Bradshaw mas não tinha ideia que fosse capaz de cantar uma música como esta e da forma brilhante como o fez. Não sei se, como ela terá dito, nessa época não mostraram devidamente as suas capacidades ou se simplesmente cresceu e tornou-se numa cantora tremenda. Pouco importa, porque o seu talento ficou aqui provado. 


7. Francisco Murta - Equipa Aurea 

Aqui está outra voz especial e um artista único que prometia trazer algo de diferente para o panorama musical português. Demorou mas foi isso mesmo que aconteceu quando lançou o seu primeiro tema original. Só lamento que não tenha ainda consolidado a sua carreira e espero que não desista porque gostava muito de continuar a ter o prazer de o ouvir. 


E foram estes os concorrentes que me ganharam o coração na quarta temporada e que mais deixaram saudades. Isto sem esquecer o mais que justo vencedor, Fernando Daniel, que faz parte daquele lote de excepções que construíram uma carreira de sucesso após sagrar-se vencedor de um concurso de talentos. A prova de que é possível, difícil mas, ainda assim, possível. 

Top 7  Provas Cegas - The Voice Portugal | Season 4 - Fernando Daniel

Agora conta-me tudo! Qual o teu concorrente favorito desta temporada? Aposto que também  torcias pelo Fernando Daniel, certo? 

Vê também o Top das outras temporadas: 


terça-feira, 15 de setembro de 2020

#Livros - O Sexo da Música, de Étienne Liebig

 

#Livros - O Sexo da Música, de Étienne Liebig

Sinopse

Sexo e música: uma harmonia que vem de longe...

Conheçamos a história que liga, desde as origens da Humanidade e em todas as culturas, a música com a sexualidade. 

Partindo das ligações fisiológicas entre o prazer sexual e o prazer de ouvir música, esta obra aborda, de um ponto de vista antropológico e histórico, aquilo que, em todas as épocas e em todas as latitudes, fez com que a música e o sexo se cruzassem: a música das heteras romanas, as melopeias das gueixas, as composições do romantismo alemão ou das bandas pop da década de 1970. Por último, o autor revela o que une a música e a sexualidade nas representações artísticas e culturais: da pintura chinesa à banda desenhada, passando pelas influências da música e do sexo sobre a literatura e a arte cénica, das danças da Antiguidade à cultura hip-hop. 

Opinião

Este livro foi-me gentilmente enviado pela Temas e Debates a meu pedido assim que tomei conhecimento do seu lançamento. Afinal de contas, um livro que se propõe a fazer as ligações entre o sexo e a música parece-me fascinante e a minha curiosidade ficou em estado de alerta máximo. Tanto que, mal chegou cá a casa, foi directo para a minha mesa de cabeceira e fez-me companhia todas as noites. 


Com tudo o que existe de subjectivo nas artes, como é o caso particular da música, e na sexualidade, todas as conclusões são fundamentadas tendo isso em conta e conscientes que cada um de nós terá memórias que poderão alterar a nossa percepção sobre determinado tema musical e que isso também poderá sofrer alterações ao longo da nossa vida. 


Podes ver ainda as minhas Dicas para ler mais e melhor


Tudo começa pela mecânica da música e a forma como afecta fisicamente a todos que ouvem, que criam ou que executam, o impacto que tem no nosso corpo e as ligações que se forma a partir daqui com o prazer, que me parece uma componente óbvia e essencial do sexo. Depois de percebermos a parte mecânica, vamos às origens da música e do sexo nos humanos, que começa pela imitação de animais e segue o seu curso evolutivo de forma natural e fascinante. 


"Diz-se da música que ela é um «ruído organizado». Eu prefiro dizer que ela é um som que o nosso cérebro pensa ser organizado, e (melhor ainda) um som que o nosso cérebro organiza em função das suas recordações."


Seguidamente, somos conduzidos pelas várias representações da música e do sexo nas artes ao longo da História da Humanidade, como na Literatura ou no Cinema. Esta é uma edição cuidada e repleta de imagens e ilustrações que complementam muito bem a mensagem que se pretende passar e ajudam a perceber melhor o que se conta. 


Podes ler também a minha opinião sobre O Mundo da Escrita


Outro aspecto muito interessante deste livro está nas pequenas biografias que pontuam toda a obra sobre personalidades relacionadas com a música, conhecidas de todos nós, e onde se faz o paralelo com a sua vida sexual quando a mesma é pública. Ficamos a conhecer aspectos interessantes de artistas tão diferentes como Brahms, Beethoven, Jimi Hendrix, Janis Joplin, Miles Davis, Elvis Presley ou os Rolling Stones, só para dar alguns exemplos. 


"A virgindade era própria da mulher que não era verdadeiramente mulher; esta podia portanto ser deificada, cumprir tarefas importantes e ser respeitada ao mesmo nível que os homens, como viria a ser a Virgem Maria."


Esta foi uma leitura incrível que me fez pensar de forma diferente e procurar outros ângulos quando penso em determinada música ou artista e procurar as relações que existem com a sexualidade, do próprio e da minha. Para os apaixonados por música têm aqui uma leitura que vos vai interessar e abrir horizontes e tenho a certeza que vão dar por vocês a acompanhar a mesma com uma banda sonora bem interessante e variada. 


Podes encomendar o teu exemplar, e contribuir para as futuras leituras deste blog, na Wook, com 10% de desconto imediato e portes grátis. 

quinta-feira, 10 de setembro de 2020

#Places - Talho Central

 

#Places - Talho Central


Apesar de vivermos circunstâncias extraordinárias e os eventos sociais estarem reduzidos e muito diferentes do que estávamos habituados e até dávamos como garantido, ainda assim, consegui conhecer um Restaurante novo que quero muito partilhar contigo. Trata-se do Talho Central, que existe em Lisboa e no Barreiro e apresenta um conceito voltado para as carnes de excelência que podes adquirir para cozinhar em casa ou viver a experiência completa na sala. 


O último jantar que foi possível organizar com o pessoal do trabalho foi no Barreiro e os meus colegas decidiram apresentar-me o Talho Central, falando maravilhas do que por lá se comia. E devo dizer que, mesmo com as expectativas altas, não fiquei nada desiludida, muito pelo contrário! Só aquelas entradas, que não sobreviveram tempo suficiente para que tirasse fotos, já eram de nos derreter o paladar e podem, inclusivamente, ser compradas para levarmos para casa. 


#Places - Talho Central

Depois temos esta sangria de espumante que era só uma das melhores que bebi nos últimos tempos. E, por fim, temos mesmo de falar sobre as carnes que se comem por lá e que são da melhor qualidade, preparadas no ponto certo e servida em doses generosas. Para a nossa mesa chegaram tábuas com porco e vaca e o aspecto era delicioso. 

Podes conhecer também o Tudo aos Molhos

Os acompanhamentos também eram muito especiais. A salada era deliciosa e o pormenor da batata-doce frita faz toda a diferença, bem como o molho que é de chorar por mais. Apesar de não ser apreciadora de carne de porco, o prato dos meus amigos também estava com um aspecto muito interessante e apetitoso. 

#Places - Talho Central

Não sei como é a sala em Lisboa, mas a decoração do Restaurante no Barreiro é muito cool, misturando o aspecto de um talho tradicional com outros detalhes mais modernos o que se torna numa combinação muito interessante e original, e que melhora ainda mais a experiência de comer neste lugar, especialmente quando a companhia é agradável. 

Podes conhecer ainda o Feitoria dos Sentidos

Devo dizer que adorei conhecer o Talho Central e que conto voltar com alguma brevidade para desfrutar destes sabores deliciosos. Portanto, se procuras um bom lugar para jantar com os amigos ou com a família para os lados da Margem Sul, tens aqui uma excelente opção! 

Já conhecias o Talho Central? Quem já foi ao de Lisboa? Conta-me tudo nos comentários e partilha com os teus amigos mais esta dica de um lugar que merece uma visita. 

terça-feira, 8 de setembro de 2020

#Livros - A Chave Maldita, de James Rollins

 

#Livros - A Chave Maldita, de James Rollins


Sinopse

Na Universidade de Princeton, um famoso geneticista morre num laboratório de alta segurança contra riscos biológicos. Em Roma, um arqueólogo do Vaticano é encontrado morto na Basílica de São Pedro. Em África, o filho de um senador norte-americano é assassinado às portas de um campo da Cruz Vermelha. Estas três mortes, em três continentes diferentes, têm algo terrível em comum: todas as vítimas são marcadas a fogo com a cruz druida pagã. Estes homicídios altamente invulgares obrigam o comandante Gray Pierce e a Força Sigma a entrar numa corrida contra o tempo para resolver um enigma que remonta a séculos atrás, a um hediondo crime contra a humanidade oculto num críptico códice medieval. 


A primeira pista é encontrada numa múmia num pântano inglês - um segredo que ameaça a América e o resto do mundo. Ajudado por duas mulheres do seu passado, Gray terá de juntar as peças deste puzzle terrível. Porém estas revelações terão um preço elevado e, para poder salvar o futuro, Gray terá de sacrificar uma das mulheres que o acompanham. E isso pode não ser suficiente, dado o verdadeiro caminho da salvação se revelar numa negra profecia apocalíptica. 


A Força Sigma enfrenta a maior ameaça à humanidade numa aventura que nos leva do Coliseu de Roma aos picos cobertos de neve da Noruega, das ruínas de abadias medievais aos túmulos perdidos de reis celtas. E um talismã enterrado por um santo, um antigo artefacto a que chama a Chave Maldita, encerra em si o maior dos pesadelos. 


Opinião

Não podia estar mais feliz por regressar com mais uma aventura da Força Sigma, de James Rollins, que mistura o sagrado com o profano num cocktail explosivo de várias formas. O autor continua magistral a combinar Ciência e História ao longo dos seus livros, sem descurar a vertente pessoal das suas personagens mais icónicas, como é o caso de Gray e as mulheres do seu passado. 


Um dos encantos desta saga é o poder que tem de nos fazer viajar por vários países e diferentes culturas, sobretudo em tempos como os que vivemos, sabe bem poder fazer essas viagens pelas páginas percorridas, enquanto não é possível fazê-las de facto. E esta aventura acontece entre vários Continentes, ameaçando a Humanidade de uma forma nunca antes vista. 


Podes ler também a minha opinião sobre A Célula Adormecida


Voltamos a ter em confronto a Gilda e a Sigma, duas forças secretas mas com propósitos bem opostos. A primeira procura o proveito próprio e armas que possa vender à melhor oferta, enquanto que a segunda pretende salvar o mundo das ameaças que agora surgem, misteriosas e sem explicação aparente. De forma a resolver este mistério, o melhor agente reúne-se com a sua ex-namorada italiana e com uma antiga agente da Gilda que parece pretender regressar à sua antiga organização e recuperar a sua anterior posição. 


"Por fim, teve de se voltar para a janela - retirando-se não por reserva, nem mesmo por delicadeza, mas por uma avassaladora sensação de perda de algo que podia ter sido."


A grande ameaça está relacionada com a escassez de alimentos que poderá culminar numa grande guerra onde nos iremos matar uns aos outros. Curiosamente, esta é mesmo uma ameaça real e até há quem a considere mais grave do que os problemas climáticos e ambientais, tão badalados nos dias de hoje. O mistério tem origem numa zona remota e de pântanos ingleses, onde uma doença inacreditável dizimou toda a população de diversas regiões assinaladas num misterioso registo antigo. 


Podes ler ainda a minha opinião sobre Imortal


Tudo se adensa quando a mais cara e recente tecnologia se propõe a explicar mistérios antigos e procura usar esses novos conhecimentos para controlar os recursos alimentares do planeta, como forma de controlar a população e o mundo. Por outro lado, os mistérios relacionados com o paganismo e a Virgem Negra, ameaçam roçar o mundo místico do Rei Artur e de Avalon, o que me deixou com uma vontade imensa de explorar esse universo. 


"Crises mais sensacionalistas consomem a atenção dos média. O aquecimento global, as reservas petrolíferas, as florestas tropicais. A lista vai crescendo. Mas a raiz de todos os problemas permanece a mesma: demasiadas pessoas acumuladas num espaço demasiado reduzido. Contudo, ninguém ataca o problema directamente. Como é que vocês, americanos, lhe chamam? Politicamente incorrecto, não é? É um tema intocável, enredado na religião, na política, na raça e na economia."


Esta foi uma aventura de tirar o fôlego, repleta de referências interessantes e com teorias bem desenvolvidas, como é hábito de Rollins que não desilude e continua a manter a chama acesa nesta saga tão bem construída e desenvolvida com inteligência. Sem contar com a capacidade de sempre surpreender com alguma reviravolta inesperada e que não conseguimos prever. 


Entretanto, foi lançado o mais recente volume da Força Sigma, A Última Odisseia, que já tive a oportunidade de ler no âmbito do Clube de Leitura que aconteceu durante a Feira do Livro e que em breve terá opinião por aqui também. Agora que dei esse salto temporal, conto voltar ao meu projecto de ler por ordem cronológica toda a saga, o que significa que, em seguida, irei pegar n'A Colónia do Diabo


Agora, podes encomendar o teu exemplar, e contribuir para as próximas leituras deste blog, na Wook, com 10% de desconto em cartão e portes grátis, ou na Book Depository, se lês em inglês, com 15% de desconto imediato e portes grátis para todo o mundo. 


Outros livros de James Rollins com opinião publicada no blog: 


A Cidade Perdida

O Mapa de Ossos

A Ordem Negra

A Herança de Judas

O Último Oráculo

Subscreve a Newsletter