expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Subscreve a Newsletter Semanal

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

#Livros - O Caminho para Avignon, de Lisa T. Bergren



Sinopse
Num thriller de cortar a respiração, A Carta Proibida, Lisa T. Bergren encetou uma clássica e fantástica batalha entre o bem e o mal, prosseguida em O Mapa de Vidro, e que termina agora no mais provocador capítulo da abençoada e poderosa missão dos Dotados...

A irmandade dos Dotados é composta por treze pessoas - cada uma possuindo o seu propósito divino e dom espiritual, cada uma servindo como catalisador para uma guerra trecentista travada entre a luz e as trevas. Entre eles, encontram-se Gianni de Capezzana e Daria d'Angelo, perseguindo novos objectivos: enfrentar a Igreja - evitando a morte na fogueira - e descobrir o último dos Dotados da profecia, assim como Hasani, o seu vidente, raptado em Veneza. Sem as visões de Hasani, Gianni e Daria enfrentam às cegas um futuro incerto - perseguidos pelo inimigo e restando-lhes, como santuário, um único recurso. 

Nesta perigosa e imprevisível região, os senhores de Les Baux ofereceram-lhes a protecção da sua fortaleza. Uma vez atrás dos muros do assombroso Castelo Les Baux, Gianni e Daria encontram um breve momento de alívio e um amor duradouro. Contudo, são continuamente incitados a avançar, arriscando a captura pelo inimigo que os persegue. O seu inimigo é temível - prometendo que os Dotados hão-de conhecer a mágoa, o medo e, finalmente, a derrota. Porém, o futuro dos que estão nas mãos de Deus não será frustrado, e os Dotados embarcam numa perigosa viagem para além do alcance do inferno, em direcção ao seu destino abençoado. 

Opinião
Depois do surpreendente e desconhecido A Carta Proibida e do desesperadamente ansiado O Mapa de Vidro, é chegado o momento de falar do último livro da saga dos Dotados. Foi uma aventura difícil de concretizar, bem mais do que eu poderia imaginar quando, acidentalmente, peguei no primeiro volume, sem ter ideia do que me estava a meter.

O problema de encontrar bons livros, com personagens apaixonantes, é o de chegar ao final da história e sentir uma saudade imensa, como se estivéssemos a despedir-nos de amigos de longa data que partem para lugares de onde não teremos notícias do seu futuro e de outras aventuras que poderão viver posteriormente.

É uma chatice mas é, também, um prazer imenso e cada vez mais raro. Desta vez, o grupo irá partir de Veneza em direcção ao seu destino final, o que irá permitir reunir todos os Dotados da profecia e enfrentar as várias frentes de inimigos que os cercam e os temem. Alguns por perceber o seu poder e a sua capacidade de destruir o Mal. Outros por recearem o desconhecido e a heresia que parecem encerrar em si e na sua forma diferente de encarar a palavra de Deus.

Assim, lutando contra os seus receios e combatendo as suas falhas pessoais, agarram a missão que lhes foi colocada no colo e seguem levando os ensinamentos de Cristo para as pessoas comuns e criando uma pequena revolução religiosa por onde passam. Vão curando corpo e alma, conforme os desejos de Deus se manifestam até estarem perante o Papa, que irá decidir se são hereges ou não. Se queimam na fogueira ou se são aceites com a sua fé invulgar.

É, de facto, uma história apaixonante, especialmente para alguém, como eu, sem grande talento para a fé e que nunca sentiu nenhum chamamento divino. O jeito como cada um se coloca ao serviço do seu Deus, para cumprir os seus desígnios e restaurar a fé nos Homens, é avassaladora. Claro, que existem momentos menos bons, com perdas, com dúvidas, até com revolta no coração. Contudo, juntos são imparáveis e nada os consegue afastar do seu caminho, do que acreditam ser a verdade.

Torna-se inspirador e remete-nos para aquele célebre provérbio popular que diz: Deus escreve direito por linhas tortas. É exactamente assim que as coisas acontecem ao longo desta saga até ao seu derradeiro momento. Gostei imenso deste enredo, adorei as personagens, a forma como todas elas são ricas e cheias de nuances, façam parte do bons ou dos maus da fita. Infelizmente, volto a referir, que os livros se encontram esgotados e não existe mais nada publicado em Portugal desta autora.

É uma pena que assim seja, pois tenho a certeza de que poderia voltar a ser um sucesso. Além de que fiquei com muita curiosidade para ler outras coisas de Lisa T. Bergren o que, neste momento e em português, será impossível acontecer. Será que alguma Editora irá voltar a olhar para a obra desta autora e apostar nela? E tu, o que achaste dos Dotados e da sua aventura pelos caminhos da fé? 

"Amava-a mas não procurava controlá-la, como tantos outros fariam. Apenas a queria em segurança. Deus sabia o que estava a fazer, entrelaçando os corações de ambos. Pois a presença de Daria, sem dúvida, exigia que Gianni, todos os dias, buscasse no seu coração o seu dom da fé, tal como a presença de Gianni a incentivava a ir aonde Deus conduzisse, sabendo que nunca estaria sozinha, nunca estaria sem guarda e, onde ele falhasse, Deus colmataria a lacuna."

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Vencedora Passatempo Halloween - Cookie TinyBite



A pessoa está sem tempo para estar aqui com grandes discursos ou para aproveitar o suspense para fazer render o peixe, como se costuma dizer. É que tenho muitas outras coisas para escrever, de forma a publicar o que tenho planeado para o resto da semana, que já sofreu alguns atrasos. É o que dá a pessoa ter de trabalhar para se sustentar e sofrer de pequenas crises de preguicite aguda. 

O nosso Passatempo de Halloween chegou ontem ao fim, mas não posso deixar de agradecer à Teresa, do Cookie TinyBite por se ter disponibilizado, tão generosamente, a ceder um prémio fantástico para animar esta quadra assustadoramente festiva. Por falar nisso, como vais celebrar esta data? 

Claro que também tenho de agradecer a todos os que participaram e partilharam este passatempo e o deram a conhecer a mais e mais pessoas. Posto isto, a vencedora (once again) do Passatempo Halloween Cookie TinyBite foi: 

Luz Silva, de Rio Tinto

Ainda hoje irás receber um e-mail, ao qual terás de responder nas próximas 48 horas, para reclamares o teu prémio e forneceres os dados de envio. 

Parabéns!!! 

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Desafio de Cinema (44/52) - Director Famoso



Eu sei que estou atrasada, mas não esquecida, ok? Como vem sendo hábito, o fim de semana foi deveras ocupado pela vida social e com algo que, no futuro, quero partilhar contigo de tão bom que é. Lá chegaremos, quando chegar o momento apropriado.

Depois de vos dar a conhecer o meu Director favorito, é chegada a hora de escolher um filme de um Director famoso, que é coisa que até existe com alguma fartura lá para os lados de Hollywood, certo? Então, aqui o desafio foi tentar encontrar primeiro o realizador e depois o filme que melhor se adequaria a este espaço de partilha e de bom Cinema (ou assim espero que seja...).

Assim, elegi o realizador de alguns filmes mais icónicos de que tenho memória, Steven Spielberg. O problema foi quando tentei eleger qual o filme para partilhar aqui, dado que este homem realizou tantos filmes que fazem parte do nosso imaginário. A primeira coisa que me ocorreu foi o fantástico Indiana Jones. Só que tenho a impressão que isso seria tão óbvio e dificilmente constituiria uma novidade, pois toda e qualquer pessoa já via este filme.

Portanto, decidi-me a fazer alguma pesquisa, para encontrar o filme perfeito para esta semana. E assim chegamos ao Lincoln, um filme que retrata o presidente dos Estados Unidos mais icónico e mais corajoso. Um homem que fez História, numa época conturbada e que não escolheu o caminho mais fácil ou popular, nem fechou os olhos ao que se passava no seu país.

Um retrato de um homem invulgar e de uma das épocas mais interessantes da curta História dos Estados Unidos da América. Já conhecias este filme? Qual o teu filme favorito do famoso Steven Spielberg? 


Sinopse
Do lendário realizador Steven Spielberg chega-nos um estimulante e aclamado drama histórico. Daniel Day-Lewis oferece-nos uma interpretação memorável, e vencedora de um Óscar, no papel do profundamente influente presidente norte-americano, Abraham Lincoln. Durante os seus últimos e atribulados meses no gabinete, Lincoln luta para convencer o governo amargamente dividido de um país devastado pela guerra a abolir a escravatura. Com uma firma e inabalável coragem e convicção, Lincoln inspira uma decisão que iria mudar para sempre o curso da História. Também interpretado por Sally Field e Tommy Lee Jones, ambos em papéis nomeados para os Óscares, Lincoln é um filme premiado e entusiasmante que nunca irá esquecer. 


Acompanha o Desafio de Cinema - 52 Filmes em 52 Semanas e vê os próximos temas. 

sábado, 21 de outubro de 2017

#Livros - O Mapa de Vidro, de Lisa T. Bergren



Sinopse
Ano do Nosso Senhor de 1340

Um segredo, com mais de quinhentos anos de existência, foi agora revelado. Uma carta ilustrada, muito tempo escondida pela Igreja, na qual se profetiza uma irmandade de homens e mulheres possuidores de poderosos dons espirituais, serve de catalisador para uma profunda guerra da qual surgirá uma nova idade das Luzes... ou uma escuridão como o mundo nunca viu. Enquanto os Dotados se reúnem e ganham força, descobrindo também novas pistas sobre o caminho que Deus lhes traçou, cresce igualmente, nos seus inimigos, o desejo de os controlar. 

Observando-os à distância, em Veneza, está o Cardeal Boeri, determinado a servir-se dos poderes sagrados dos Dotados para assegurar a sua posição na hierarquia da Igreja. O doge e duque de Veneza, tem as suas próprias razões para querer assumir o poder. Porém, a ameaça maior é o diabólico Abramo Amidei, decidido a trazer a curandeira Daria d'Angelo, ao seu redil ou, caso não o consiga, a destruí-la. Amidei está decidido a desfazer o sólido tecido de fé da curandeira, atacando as fraquezas daqueles que Daria ama, pois sabe que, juntos, os Dotados são inegavelmente fortes, cada vez mais fortes. Porém, se os conseguir dividir, os Dotados - e depois o mundo - serão seus. 

Opinião
Eu sei que esta série não se encontra à venda, infelizmente, e nem sei muito bem porquê, só que não resisto a partilhar contigo a minha humilde opinião. Mais não seja pela trabalheira que me deu, concluir a leitura. Não por falta de qualidade do enredo, mas pelo difícil que foi reunir os três volumes que compõem a história dos Dotados.

Quando aqui falei sobre A Carta Proibida, andava em busca deste livro que hoje partilho, O Mapa de Vidro, de uma forma quase desesperada. Devo dizer que não foi uma tarefa nada fácil, porque não se viam estas obras em lado nenhum e a que encontrei custava os olhos da cara, que é como quem diz, o mesmo preço do livro novo que não existe à venda.

Contudo, o que interessa é que encontrei o meu desejado livro e já sei tudo sobre os Dotados. A aventura parte para Veneza e instalam-se em força para encontrarem respostas e cumprirem o seu destino. Um conjunto de pessoas de fé só podia dar nas vistas numa cidade como Veneza. Os seus dons voltam a manifestar-se e os seus inimigos continuam a perseguição.

Aqui, começam as perdas e o ataque cada vez mais cerrado das forças negras que entendem o poder que estas pessoas têm quando unidas em torno do seu ideal. Portanto, as provações serão cada vez maiores, onde a nossa protagonista, além de perder pessoas amadas, irá conhecer o cativeiro e privar de forma mais próxima com o seu maior inimigo. Inimigo esse que a pretende conquistar para o lado das trevas e, só em caso de falhanço, a irá destruir.

O próprio mapa, que dá nome ao livro, é uma peça fascinante e que os coloca numa caça ao tesouro pelas Igrejas de Veneza, de forma hábil e inteligente. Quanto mais lia este livro, mais tinha a sensação do quanto seria interessante poder ver esta história contada numa tela de Cinema ou transformada numa série televisiva.

A história de amor que vimos despontar no primeiro livro, sem querer desvendar nenhum mistério ou estar aqui a fazer spoilers, continua em banho-maria. Consegui sentir que o encantamento entre um e outro foi aumentando, especialmente após a distância física temporária, mas ainda não foi desta que se declararam. Quer dizer, isto partindo do princípio de que isso irá acontecer.

Volto a recomendar que leias esta trilogia e que alguma editora volte a publicar para que possa chegar às pessoas que, como eu, só agora descobriram a existência deste enredo. Conhecias os Dotados? O que ficaste a pensar deste livro? 

"Vincenzo, meu amigo mais antigo, meu inimigo mais recente. Eras como um irmão para o meu pai, como um tio para mim. Agora és o meu traidor, em todos os sentidos da palavra. Protector, receio bem que nunca o voltes a ser."

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Uma noite com... #135










Pedro Lamares
Actualmente o Duarte, que podes ver n'A Herdeira, na TVI

Podes ver os gatos das semanas anteriores aqui. 

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

#Parceria - Recebidos Oriflame 15-2017



No dia 12 de Outubro, iniciou-se mais um fantástico Catálogo Oriflame que, pelo que já vi, está repleto de produtos interessantes e com preços da pessoa perder a cabeça. Afinal, não podemos esquecer que o Natal está quase à porta e existem presentes para comprar e nada como aproveitar as promoções para agradar às pessoas importantes da nossa vida e ainda poupar uns trocos, que isto do Natal é uma coisa cara.

E por falar nisso mesmo, recordo-te que podes poupar ainda mais se te inscreveres como Cliente VIP, obtendo a possibilidade de comprar os teus presentes de Natal com até 30% de desconto ou até fazeres algum dinheiro ao venderes aos teus familiares e amigos. Se te inscreveres aqui, ganhas ainda um kit de maquilhagem no valor de 25€, com a tua primeira encomenda, só por seres leitor do blog. 

Precisamente, a propósito deste novo Catálogo, recebi mais uma remessa com uns quantos produtos, alguns dos quais estavam debaixo de olho, pois são lançamentos recentes. Mais uma vez, tenho de agradecer ao meu querido parceiro Oriflame, o Joaquim Neves pelas excelentes escolhas e por continuar a confiar no meu trabalho e neste espaço.

Agora, vamos passar às coisas boas que recebi, pode ser? 


Primeiro, tenho de falar do produto que mais chamou a minha atenção, o Bálsamo de Lábios Colour Adapt THE ONE. À primeira vista, pensas que se trata dum batom roxo, mas a verdade é que se trata de uma fórmula transparente que, em contacto com os lábios, se transforma num tom suave de rosa, único e pessoal, com um brilho subtil. Ainda não sei se cumpre a sua função, mas já pude comprovar que cheira tão bem que dá vontade de comer.

Quanto ao segundo produto, confesso que não prestei a devida atenção quando foi lançado, mas fiquei muito bem impressionada depois do Joaquim me falar um pouco mais sobre ele. Refiro-me aos novos Pincéis de Maquilhagem Precision, desenvolvidos para uma maquilhagem profissional, mas a preços bem mais simpáticos. Destaco ainda o facto da embalagem ser individual e selada a quente, uma forma super higiénica, usarem cerdas sintéticas e cabos em Bambu sustentável.

Ainda a propósito de pincéis, recebi também a Escova de Limpeza para Pincéis de Maquilhagem! Queria mesmo experimentar esta novidade e não podia estar mais satisfeita. É feita em silicone e limpa eficazmente todos os pincéis, mantendo a sua qualidade e durabilidade por mais tempo. Além disso, traz consigo o folheto com as instruções para utilizar de forma correcta e tirar o maior proveito deste novo produto.

Por fim, mas não menos importante, chegou cá a casa o Creme de Mãos Dream Cream Oriflame, recentemente lançado, que promete hidratação máxima, com óleo de amêndoas doces e glicerina. A melhor parte é que se trata do formato de viagem, com 30 ml, uma escolha perfeita para ter sempre na mala para qualquer altura em que seja necessário.

Gostaste dos produtos que recebi desta vez? Qual o teu favorito? 

Não te esqueças de deixar o teu like na página do Joaquim, comprar no site e inscreveres-te aqui, com vantagens únicas e exclusivas! 

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Desafio de Cinema (43-52) - Nacional



Cá estamos para mais uma edição do Desafio de Cinema, com um tema que muito me apraz: Cinema Nacional ou Cinema Português. Infelizmente, não temos uma Indústria Cinematográfica em Portugal e, mesmo assim, faz-se muita coisa com qualidade. No entanto, usa-se muito a desculpa de que não existe dinheiro ou público e muitos são os que desistem dos seus projectos. 

E foi por isso mesmo que decidi escolher um filme que ainda não vi, que quero muito ver, e que não teve qualquer apoio do Estado, qualquer subsídio. Foi fruto da obstinação de algumas pessoas e do trabalho de actores de talento, sem quantias milionárias pelo meio, com o mínimo de recursos e no mais curto espaço de tempo possível. 

Para os mais distraídos que ainda não perceberam qual o filme da semana, irei sugerir-te o mais recente filme realizado por Diogo Morgado, Malapata. É uma comédia, estilo pouco explorado em português, e que junta um elenco mesmo muito interessante e com personalidades inesperadas, como Luís de Matos e Ana Malhoa. 

Pela parte que me toca irei tratar de colmatar a minha falha e ver este filme o mais rápido possível, e tu? Já conhecias este filme? Qual a tua opinião? 


Sinopse
Malapata retrata a história de dois homens que vivem a experiência que quase todos nós em algum dia fantasiámos ter: ganhar a Lotaria. Uma comédia leve, em registo real e em torno de dois indivíduos que, de um dia para o outro, vêem as suas vidas dar a maior das voltas ao ficarem alegadamente milionários, e que, levados pelo entusiasmo, fazem as maiores e mais disparatadas excentricidades. Sorte... ou falta dela, a verdade é que tudo estará prestes a mudar para estes dois heróis. A partir do momento em que percebem que são vítimas de uma estranha e inexplicável Malapata. 

Os mais bizarros e infortúnios azares quase lhes acaba por custar a vida. Que Malapata é esta? Por que é que isto lhes está a acontecer? Carlos e Artur vão perceber que isso será talvez o início do fim. Pelo caminho percebem também que as melhores coisas da vida não se compram. 


Acompanha o Desafio de Cinema - 52 Filmes em 52 Semanas e vê os próximos temas. 

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Passatempo Halloween - Cookie TinyBite



Existirá melhor timing para lançar um passatempo comemorativo de Halloween do que uma mítica Sexta-feira 13?? Pois, foi o que eu pensei. Aliás, eu e a querida Teresa da Cookie TinyBite, que quis muito presentear-te com um dos produtos especiais que está a lançar nesta quadra assustadora que é o Halloween. 

Como os mais atentos se lembram, a primeira vez que falei nesta parceria foi no 5.º Aniversário do blog, e tem sido um gosto imenso trabalhar com esta loja que tem sempre os produtos mais giros, com umas bonecas muito interessantes, pois são fofas sem se tornar infantil ou demasiado girly, coisa que a mim muito me agrada. Inclusivamente, esta menina, gentilmente, me enviou uma linda garrafa que conto, muito em breve, partilhar contigo de tão linda que ficou. 

Passando ao que interessa, ou seja, ao prémios que podes ganhar. Como já referi, terá uma boneca especial comemorativa (e assustadora) desta época de Halloween, estampada numa Sweat, aliás, em DUAS Sweats. Ah pois, trata-se de um modelo para adulto e outro para criança, o que significa que são dois prémios para um vencedor e que aposto já te estás a questionar como podes ganhar, certo? 


Portanto, para te habilitares só precisas de: 



Algumas regras: 
  • Só é permitida uma participação por pessoa. 
  • Passatempo válido para Portugal Continental e Ilhas. 
  • O nome do vencedor será anunciado aqui e será contactado por e-mail, ao qual terá de responder nas próximas 48 horas. Se o prémio não for reclamado nesse prazo, será realizado novo sorteio. 
  • Termina em 25 de Outubro. 
Boa sorte, com doces ou travessuras!! 

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

O amor não escolhe idades



Ai, o amor, o amor! Haverá tema mais explorado e com tanto ainda por dizer? Quer-me parecer que poderia escrever 365 posts consecutivos, sem me repetir, e muita coisa ficaria por explorar, com toda a certeza. Por amor, o ser humano é capaz do melhor e do pior. Este mecanismo misterioso que nos faz apaixonar por uma pessoa em detrimento de outra é algo fascinante e, a meu ver, impossível de explicar de uma forma que se aplique a tudo e a todos. 

Eu que sou pessoa que gosta de polémicas, como podes comprovar aqui, só para dar um pequeno exemplo, dei por mim a pensar no tanto que incomoda o mundo quando um casal tem uma diferença de idades superior ao que a sociedade determina. Como se existisse um padrão de sucesso, que nos levasse a afirmar que devido ao teu namorado ou namorada ter mais 20 anos do que tu fosse impossível que fossem felizes. 

A minha irritação com este tipo de preconceito nem se prende com a possibilidade destas pessoas terem ou não razão no que dizem, mas por se acharem no direito de dizer aos outros o que fazer das suas vidas e a quem devem ou não entregar o seu coração. Eu própria, não sou melhor do que ninguém, e tenho opiniões sobre a probabilidade de sucesso das relações que conheço. Nalgumas acredito, noutras nem tanto e pelos mais infindáveis motivos, onde a idade é das últimas coisas a ter em linha de conta. A diferença é que não me ponho a "vender" a minha verdade aos envolvidos, como se fosse a pessoa mais indicada para decidir por eles. 

Além disso, vamos lá pensar em conjunto, quantos casais, com a mesma idade ou na mesma faixa etária, namoram, casam, têm filhos, compram casa e cumprem todos os supostos requisitos da sociedade para passar toda uma vida juntos, terminam com um divórcio ao fim de uns quantos anos de aparente felicidade? Apesar de ninguém começar uma relação a pensar no seu final, a verdade é que todos sabemos que existe uma forte possibilidade de que esse dia venha a chegar. Especialmente, quando perdemos alguns dos factores sociais e económicos que levavam a que muitos casamentos durassem até à cova, mesmo quando os seus intervenientes já não se sentiam felizes na relação. 

Nos nossos dias, ainda existe, mas serão cada vez menos os casos e todos almejamos viver felizes com a pessoa que escolhemos ter ao nosso lado. Portanto, quando alguém se apaixona por uma pessoa mais velha, também é possível que não seja para sempre, mas valerá sempre a pena viver esse amor enquanto for bom para ambos. Porque, no final, é o que vivemos de espectacular que nos fará sorrir e sentir que vivemos plenamente e não nos limitamos a existir. 

Outra questão importante, quando analisamos este tema das idades, é a recorrente diferença com que avaliamos a situação mediante o género da pessoa mais velha. Se for um senhor de meia-idade (ou mais) que se passeia com uma menina de 20, o fulano é o maior e anda a gozar a vida. Ao passo que se estivermos a falar de uma senhora de 40 ou 50 que namora com um gato de 20, cai o Carmo e a Trindade! A velha não tem vergonha da figura que anda a fazer, anda a tentar parecer uma jovenzinha sem noção das responsabilidades. O único factor comum desta equação é a de que os jovens envolvidos têm sempre uma motivação material para se envolverem com alguém mais velho. 

Como se não fosse possível alguém mais novo conhecer alguém tão interessante, por tudo o que a experiência de vida já lhe deu, tão estimulante e fascinante e se apaixonar, ainda que a pessoa esteja uns quantos degraus à frente nesta coisa da idade. Não sou uma inocente, não penses. Sei que existem pessoas que o fazem por mero interesse, seja por dinheiro ou por projecção mediática ou outro qualquer factor externo ao amor. No entanto, não acredito, de forma alguma, que seja uma regra a aplicar a todos os casos. 

O que achas deste assunto? Acreditas em relações onde existe uma grande diferença de idades? Ou será que até já viveste alguma?? 

terça-feira, 10 de outubro de 2017

#Livros - O Reino do Meio, de José Rodrigues dos Santos



Sinopse
A guerra rebenta em Espanha e o Japão invade a China. Uma relação extraconjugal nos Açores, o atentado contra Salazar e as intrigas palacianas em Tóquio aproximam o coronel Artur Teixeira do cônsul Satake Fukui na mais imprevisível e perigosa das cidades - a Berlim de Adolf Hitler. 
Lian-Hua, a chinesa dos olhos azuis, está prometida a um desconhecido quando vê os japoneses entrarem em Pequim e a sua vida se transforma num inferno. O mesmo espectáculo é observado pela russa Nadezhda Skuratova em Xangai, onde se apaixona por um português que a forçará a uma escolha impossível. 

A Berlim do blackout, dos boatos e das anedotas, do Hotel Adlon, das suásticas que brilham à noite e das lojas vazias com vitrinas cheias; a Pequim das mei po casamenteiras, dos chi pao de seda, dos cules e dos riquexós; a Tóquio do Hotel Imperial, dos golpes no Kantei, do zen e dos códigos de honra giri e ôn; e a Xangai da Concessão Internacional, dos portugueses do Clube Lusitano, dos néones, do Bund, das taxi-girls russas e dos bordéis. 

Senhor de uma prosa sem igual, José Rodrigues dos Santos está de regresso ao grande romance com a conclusão da história inesquecível das quatro vidas que o totalitarismo moldou. Lendo-se como um romance autónomo, O Reino do Meio encerra em grande estilo a polémica Trilogia do Lótus, uma das mais ambiciosas e controversas obras da literatura portuguesa contemporânea. 

Opinião
Depois de me ter roído de curiosidade, enquanto ansiava pelo lançamento deste livro, lá chegou o grande dia em que o recebi e me agarrei a ele com sofreguidão. Foi mais um fim de semana de leitura compulsiva, com paragens apenas porque o cansaço, por vezes, fala mais alto e é preciso descansar um pouco para voltar a perder-me na história e nas personagens. 

Como sempre, senti-me a viver a História de um novo ponto de vista mais pessoal e a conhecer algumas das personalidades que povoam o nosso imaginário. Sem esquecer os nossos quatro protagonistas ficcionais, que nos levam gentilmente por esses caminhos e pelas encruzilhadas das próprias vidas. 

Dado que tenho um interesse muito particular por tudo o que envolve a II Guerra Mundial, foi muito entusiasmante perceber um pouco melhor a forma como Adolf Hitler era visto pelas pessoas na Alemanha e no mundo. Mais, entender a forma estratégica como Salazar lidou com a chegada desta guerra e nos colocou firmemente de parte, negociando a nossa neutralidade criando moedas de troca para ambos os lados da contenda. 

Em Xangai, somos confrontados com os nossos descendentes de Macau, muitos sem nunca ter pisado solo português, mas que mantêm no coração um amor por uma pátria desconhecida e misteriosa que lhes dá muito pouco valor. Os mais jovens já não conhecem a nossa língua, mas cultivam essa admiração por uma herança passada de boca em boca, mais imaginada que lembrada. 

Sem querer criar spoilers, que já sabes que não gosto disso, tenho de manifestar a minha indignação pelo final do livro. A forma como termina, sem que chegue efectivamente ao fim, sem sabermos o que sucede depois com cada personagem. Sabemos o seu destino, mas não o que aconteceu. É frustrante para quem acredita que esta história termina com este livro. 

Não é o meu caso, devo dizer. Para te explicar melhor a minha teoria conto-te que estes três livros são narrados por um personagem, sobre o qual sabemos muito pouco, que se encontra muito doente, em fase terminal, e que decide, antes que a morte o leve, escrever a história de vida de quatro amigos que foram para si muito importantes e especiais. 

Quando o relato deste narrador termina, a II Guerra Mundial tinha acabado de estourar e, como deves imaginar, os protagonistas certamente viveram muitas outras coisas daí em diante. Até porque, neste relato, não nos é explicada a relação do próprio com eles, não se cruzaram ainda. Portanto, quer-me parecer que ainda iremos conhecer mais aventuras do Lótus ou outro nome qualquer que o autor decida colocar nos próximos livros. Certamente, serão relatados por um qualquer familiar do primeiro narrador que, ao encontrar os manuscritos e o material que este ainda possuí, decide continuar a contar os sucedidos. 

O que achas da minha teoria? Lê os livros, rende-te à Trilogia do Lótus, e depois conta-me se achas mesmo que não tenho razão!  

"O português do continente ou das ilhas, transplantado para o ultramar, o Brasil, os Estados Unidos, as ilhas Havai ou a Venezuela, é outro passado curto espaço. Mantendo as qualidades do berço, a sentimentalidade lusitana, o amor da terra, as saudades da pátria, esse português apresenta-se não através das gerações, mas ele próprio, com outro espírito de iniciativa e decisão, maior grau de sociabilidade, outro afã no trabalho, maior largueza de pensamento e, mesmo quando não é mais culto, decididamente outro homem."

"Porque sei que é [o país mais bonito do mundo]. Porque o meu coração me diz que é. Porque quando olho para a minha bandeira ela me diz quem eu sou. Porque quando vejo um português de Xangai ou um macaense ou um timorense ou um goês ou qualquer outro descendente de portugueses na Ásia, como em Malaca, nas Flores ou nas Molucas, sei que todos partilhamos esta coisa maravilhosa que é ser português. Não lhe sei explicar, menina, além de dizer que, apesar de serem raros os portugueses de Xangai ou de qualquer outra parte da Ásia que alguma vez visitaram a Metrópole, todos guardam dentro de si a nostalgia da pátria amada. Talvez o que sinto seja uma miragem e este grande Portugal que nós aqui na Ásia idealizamos nem sequer exista. Se calhar não passa mesmo de uma fantasia romântica de euroasiáticos sonhadores, não digo que não, até porque o nosso país praticamente ignora-nos, o que muito nos custa e temos até uma certa dificuldade em compreender. Mas gostamos de imaginar que, apesar de nos ter esquecido, Portugal é o nosso pai. Somos portugueses e isso basta-nos para estarmos de bem connosco e com o mundo. Tenho estes olhos de asiático, é certo, mas aqui no peito bate um coração lusitano." 

Podes encomendar o teu exemplar aqui, com 10% de desconto imediato e portes grátis. 

Outros livros de José Rodrigues dos Santos com opinião publicada: 

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Desafio de Cinema (42/52) - Director Favorito



Estamos em contagem decrescente para o fim deste Desafio e, mesmo sem ter acabado, já ando a morrer de saudades antecipadas. É o mal das coisas boas e que nos dão prazer. Chegam ao fim e ficamos a recordar os bons momentos passados e a lamentar o seu término. Bem, mas o final ainda não chegou e ainda temos muitos filmes para partilhar, sugerir e divagar. 

O tema desta semana era escolher um filme do meu Director/Realizador favorito. O que me levou à questão de qual seria o meu realizador favorito. Depois de analisar com algum cuidado e ponderação, acabei por ter de eleger o alucinado Tim Burton. Precisamente, por ser um realizador diferente de tudo o que existe e fazer filmes únicos e sem comparação. 

Depois do realizador estar eleito, escolher o filme que te iria sugerir revelou-se tarefa mais complicada, porque são tantos e tão bons que a pessoa até fica perdida sem saber o que fazer e com vontade de partilhar todos. Só que não pode ser assim, embora possas e devas ir espreitar o resto da lista porque vale bem a pena. 

Para hoje, elegi o primeiro filme de Tim Burton que me recordo de assistir. E recordo-me com clareza porque a reacção foi intensa pois nunca tinha visto nada tão fora da caixa, como agora está muito na moda dizer-se, e ao mesmo tempo tão engraçado e hilariante. Uma aventura que mistura, na mesma casa, fantasmas que não querem partir e pessoas tão loucas quanto eles. 

Trata-se de Beetlejuice - Os Fantasmas Divertem-se, um filme dos idos anos 80 que me introduziu neste universo alternativo e pouco convencional. Aliás, este realizador foge mesmo de tudo o que é convencional e do que está estabelecido. A cada filme traz algo de novo e é uma lufada de ar fresco que nos chega de Hollywood. 

O que achas da loucura de Tim Burton? Qual o teu filme favorito deste realizador? E lembravas-te deste filme? 


Sinopse
O que fará um casal fantasma yuppie quando a sua tranquila e acolhedora Nova Inglaterra é invadida por refinados nova-iorquinos? Contrata um "bio-exorcista" em part-time para assustar os intrusos. E todos levam pela medida grande!

O realizador Tim Burton junta-se a Michael Keaton em Beetlejuice - Os Fantasmas Divertem-se. O resultado? Uma comédia notável, onde dois mortos não querem ficar mortos e alguns vivos os querem no mundo dos mortos. 

Alec Baldwin, Geena Davis, Winona Ryder e Sylvia Sidney oferecem-nos actuações doutro mundo, aos quais se juntam o fantástico design de produção do filme, a banda sonora da autoria de Harry Belafonte e uma irrepreensível caracterização dos personagens, vencedora do Óscar da Academia para Melhor Maquilhagem. Exorcise o seu direito ao divertimento. Diga a palavra começada por "B" três vezes, e tenha um dia maravilhoso! 


Acompanha o Desafio de Cinema - 52 Filmes em 52 Semanas e vê os próximos temas. 

domingo, 8 de outubro de 2017

#Livros - O Pavilhão Púrpura, de José Rodrigues dos Santos



Sinopse
Pode uma ideia mudar o mundo?

Nova Iorque, 1929. A bolsa entra em colapso, milhares de empresas fecham, milhões de pessoas vão para o desemprego. A crise instala-se no planeta. 
Salazar é o Ministro das Finanças em Portugal e a forma como lida com a Grande Depressão granjeia-lhe crescentes apoios. Conta com Artur Teixeira para subir a Chefe de Governo, mas primeiro terá de neutralizar a ameaça fascista. 

O desemprego lança o Japão no desespero. Satake Fukui vê o seu país embarcar numa grande aventura militarista, a invasão da Manchúria, na mesma altura em que tem de escolher entre a bela Harumi e a doce Ren. 

Lian-Hua escapa a Mao Tse-Tung e vai para Peiping. É aí que a jovem chinesa e a sua família enfrentam as terríveis consequências da invasão japonesa da Manchúria. 

A crise mundial convence os bolcheviques de que o capitalismo acabou. Estaline intensifica as colectivizações na União Soviética e o preço, em mortes e fome, é pago por milhões de pessoas. Incluindo Nadezhda. 

O mundo à beira do abismo. 

Considerado pelos portugueses o seu maior escritor, José Rodrigues dos Santos acompanha-nos numa viagem palpitante à perigosa década de 1930 na companhia de figuras históricas como Salazar e Chiang Kai-Shek. O Pavilhão Púrpura traz-nos o segundo tomo da mais ambiciosa saga da literatura portuguesa contemporânea. 

Opinião
Como prometido, aqui estou para falar do livro O Pavilhão Púrpura, segundo na mais recente saga de José Rodrigues dos Santos. A vantagem de ter os livros em casa é que, quando se termina o primeiro, corre-se a ir buscar o segundo e a aventura continua, como se nada fosse. Foi assim que parti para este novo livro e me deliciei com o que por lá se passou.

Devo dizer que está longe de ser uma leitura leve. Aliás, ainda não li nada deste autor que assim seja, mas este livro revela-nos algumas realidades que me afectaram enquanto pessoa. Na verdade, nenhum dos protagonistas teve uma história de vida fácil, contudo, desta vez, a que mais me incomodou está relacionada com os Russos. Perceber o que acontecia na União Soviética e o que se fez às pessoas é, de facto, violento e desumano.

Mais uma vez, vamos viajando entre o extremo Comunista para o extremo Fascista, quase sem perceber porque se odeiam tanto, quando têm tanto em comum. Aqui continuamos a nossa viagem pelo século XX pós Grande Guerra e com os cenários provocados pela Grande Depressão em Portugal, na China, no Japão e na União Soviética. É uma aula de História em constante movimento entre países e culturas.

É incrível como o autor nos consegue fazer um retrato, não só político destes países, mas também cultural e ideológico. As diferenças que nos separam são muito mais deste último âmbito do que económico e financeiro. É inquietante perceber o quanto os Japoneses se acham superiores aos restantes povos, e é nesse país que conhecemos pela primeira vez a polémica eugenia.

Um conceito que se tornou popular por todo o mundo, em especial na Alemanha como todos sabemos, com a discussão em torno da superioridade das raças e dos países a inflamar os governantes. Quer-me parecer que foi esse o grande impulsionador da Guerra que se seguiu no mundo. É assim que vamos acompanhando as correntes ideológicas e a sua influência nos diferentes locais.

É, definitivamente, um livro emocionante que nos revela muito sobre as reacções dos povos aos mesmos estímulos e ideias e nos apresenta um retrato desses negros anos de crise económica e social. O problema surgiu quando, terminei de ler este livro, com um capítulo do mais perturbador que já li, e percebi que teria de esperar pelo terceiro! Eu bem disse que não queria começar sem ter a colecção completa. A minha paciência já não sobrevive a estas angústias de esperar para saber como acaba uma trama, meus amigos.

No entanto, foi lançado O Reino do Meio, que já comprei e já li e que conto partilhar a opinião durante a próxima semana. Fica atento! Já andas a ler esta saga contemporânea? Qual a tua opinião? 

"Observando o santuário apinhado de gente e os símbolos escaqueirados, com a liturgia prestes a iniciar-se, e comparando tudo aquilo com o que se passava na União Soviética, pareceu-lhe difícil, apesar da sua tenra idade, não reparar nas espantosas semelhanças entre o cristianismo e o comunismo. Um era branco e o outro vermelho, um tinha o patriarca e o outro o secretário-geral do Partido Comunista, um padres e o outro comissários políticos, um missas e o outro comícios. Ambos contavam com zelotes encarregados do respeito pela ortodoxia, o texto sagrado de um era a Bíblia e o do outro O Capital, o profeta de um era Jesus e o do outro Marx, o símbolo de um era a cruz e o do outro a foice e o martelo. A imagem de Jesus crucificado estava por toda a parte e o retrato de Marx, Lenine e Estaline também. De resto num havia irmãos e no outro camaradas, as seitas de um eram ortodoxos, católicos, protestantes e coptas e as do outro socialistas, comunistas, anarquistas e fascistas. Ambos tinham crentes, um seduzia as crianças na catequese e o outro no Komsomol, um rezava o pai-nosso e o outro cantava a Internacional, um juntava as palmas das mãos e o outro erguia o punho. 
E, já agora, por que razão os crentes comunistas odiavam tanto as outras religiões? 
Porque eram rivais."

Podes encomendar o teu exemplar aqui, com 10% de desconto em cartão e portes grátis. 

Outros livros de José Rodrigues dos Santos com opinião publicada: 

Anjo Branco
O Homem de Constantinopla
Um Milionário em Lisboa
A Mão do Diabo
Vaticanum
As Flores de Lótus

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

#youzz - Campanha Catisfactions



Já se tinha passado tanto tempo desde a minha última campanha, que pensei que a querida Comunidade youzz se tinha esquecido de mim. Há cerca de um ano, tive o prazer de participar na Campanha Innéov Pre-Hyaluron e, antes disso, na Campanha Água Micelar Garnier e, desta vez, vamos conversar sobre uma Campanha direccionada para os nossos amigos de quatro patas. 

O que significa que recebi cá em casa uma caixinha cheia (mesmo cheia!) de coisas boas para os gatos cá de casa. Nessa minha rica caixa, chegou uma imensidão de snacks de galinha da Catisfactions, que procuram unir uma recompensa saborosa e ao mesmo tempo saudável para mimar os nossos felinos. 


Estes snacks são ricos em vitaminas e minerais, com uma textura crocante por fora e suave por dentro, tem menos de 2 calorias por peça e não tem corantes nem conservantes. Parece-te bem? Pela parte que me toca, que é como quem diz, pelo feedback que os meus gatos me têm dado, estão mais que aprovados, pois eles pelam-se pelo seu snack do dia. 


Além desta caixa, verdadeiramente cheia de pequenas embalagens com snacks Catisfactions, recebi também um conjunto de vales de desconto para que tu também possas dar ao teu gato este maravilhoso snack. No entanto, preciso saber se temos muitas pessoas com gatos em casa e se querem mesmo ter esta oportunidade. Quem entra nesta aventura Catisfactions??

Caso ainda não estejas inscrito nesta plataforma, inscreve-te na youzz e coloca o meu código pessoal ziam2m3wv7.

terça-feira, 3 de outubro de 2017

Vencedora do Passatempo Oriflame by Orineves



Neste Domingo, chegou ao fim mais um Passatempo fantástico, bem como as minhas adoradas férias. O que significa que, além de já andar atolada em trabalho até aos olhos (por enquanto, afinal, só se passaram dois dias), teremos um feliz vencedor. Quer dizer, uma vencedora, como vem sendo hábito, que os produtos de beleza parece que atraem o mulherio e os senhores ficam com vergonha e desistem. 

Fazem mal, que as vossas mulheres ficariam felizes com uma surpresa destas, mas vocês lá sabem, homens deste mundo. Antes de anunciar o nome que tanto queres, tenho de voltar a agradecer ao meu parceiro de sucesso, Joaquim Neves, por continuar a proporcionar-me a mim e a ti, que me segues, produtos excelentes. 

Passando ao que interessa, a vencedora do passatempo é: 

Inês Graça, de Sesimbra

Parabéns!!!
Esta noite receberás um e-mail da minha parte para reclamares o teu prémio e forneceres os dados de envio. Fica atenta à tua caixa de e-mails, sim? 

Consegues adivinhar qual será o próximo Passatempo? Só dou uma pequena pista... Tem a ver com a festa temática deste mês! Adivinhas? 

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Desafio de Cinema (41/52) - De Comédia



É oficial, as férias chegaram ao fim. Pelo menos, no que diz respeito ao ano de 2017 já não há nada para ninguém. É uma chatice, mas hoje já é dia de trabalho, de horários e responsabilidades infinitas. Como tudo o que é bom, acaba depressa. É a mesma coisa que acontece com este nosso Desafio de Cinema que se encontra na recta final. 

Mas não vamos cá falar de coisas tristes, que o tema desta semana é para rir e muito. Por acaso até é um género que não aprecio muito, especialmente, para ir ver ao Cinema. Acabo sempre por dar prioridade a outros filmes que beneficiam mais de um ecrã gigante. Depois não sou pessoa que ria de tudo e de nada, o que resulta em alguns filmes que simplesmente me passam ao lado. 

No entanto, existem alguns filmes de comédia que ficam na memória. É o caso do que hoje te trago. É um filme, ou melhor, uma série de filmes, que acompanha uma geração e dificilmente existirá alguém que desconheça este fenómeno mundial. Refiro-me ao inesquecível American Pie. Quem não se lembra das trapalhadas de Jim? Ou do fanfarrão do Stifler? 

Um filme repleto de episódios próprios da adolescência e da obsessão que todos os adolescentes sentem em relação ao sexo. Rapidamente encontramos semelhanças com amigos ou amigas desses tempos e as gargalhadas ainda são mais especiais por isso mesmo. 

Recordaste deste filme? Qual o teu favorito de todos os lançados até à data? 


Sinopse
Jim está como todos os adolescentes da sua idade que ainda são virgens - desesperado! Depois de ser apanhado a ver um filme porno na televisão, a tentativa com uma bela colega também deu para o torto. Resta-lhe Michele, a flautista da banda...
O amigo de Jim, Kevin, só quer agradar à namorada Vicky e depois de descobrir um livro sobre 'como o fazer', só pode mesmo ser bem sucedido. 
Oz ou Casanova, como prefere ser chamado, só tem olhos para Heather, uma rapariga do grupo coral, mas 'fazê-lo' vai-lhe sair bem caro...
Quanto a Finch, a sua fama precede-o, mas só Jessica sabe toda a verdade. 
E Stifler, já com 'experiência sexual', se calhar vai pensar duas vezes antes de beber outra vez uma cerveja.
É rir, do princípio ao fim! 


Acompanha o Desafio de Cinema - 52 Filmes em 52 Semanas e vê os próximos temas.