expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Subscreve a Newsletter Semanal

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

#Livros - Anita Garibaldi, de Thales Guaracy


#Livros - Anita Garibaldi, de Thales Guaracy

Sinopse

Neste livro repleto de beleza literária e cores realistas, tão chocante quanto maravilhoso, tão particular quanto universal, Thales Guaracy vê Anita pelos olhos de Giuseppe Garibaldi, a única pessoa que testemunhou realmente a vida da revolucionária. E assim desvenda e dá-nos a conhecer, com um estilo único, pessoal e emocionante, a mulher que se lança sozinha sobre o exército inimigo; que por ciúmes corta os cabelos do marido e o ameaça com um par de pistolas; que abandona os próprios filhos entre desconhecidos para atravessar um país em convulsão, escondida sob a correspondência num carro de correio, até uma cidade sitiada. E que aprendeu que as causas perdidas são as mais certas, tornando-se numa das mais extraordinárias personagens da história, considerada a heroína de dois mundos, precursora e símbolo do feminismo, e a representação da mulher forte e independente. 

Opinião

O Brasil é mesmo todo um novo mundo à espera de ser descoberto. A sua descoberta não se limita aos seus limites geográficos e a sua riqueza vai muito além do ouro e das pedra preciosas que lá se escondiam. As figuras únicas e de dimensão universal são o seu maior legado. No seu passado encontramos o início de uma identidade própria, rica e que, absorvendo as culturas colonizadoras, criou a sua e com ela ganhou o mundo. 

No que toca a mulheres é uma fábrica de personalidade extraordinárias, à frente do seu tempo e capazes de seguir o seu caminho sem se prenderem às convenções e pressões sociais. Foi o caso de Chiquinha Gonzaga, a compositora que se destacou na criação de uma música popular brasileira. E antes dela, foi o caso de Anita Garibaldi, que rasgou as amarras e se dedicou à luta pela liberdade, causa maior dos povos. 

Desde que vi a mini-série da Globo, A Casa das Sete Mulheres, fiquei rendida a esta personagem histórica que ganhou um lugar especial no coração dos oprimidos e se tornou numa heroína de dois continentes. Depois, agarrei no livro com o mesmo nome e que está esgotado no nosso país, e apaixonei-me em definitivo por este casal de revolucionários. 

Então podes imaginar a minha reacção quando descobri que ia ser lançado em Portugal um livro sobre Anita Garibaldi, certo? O autor, Thales Guaracy, propõe-se contar sobre a vida da grande heroína através do olhar do seu companheiro de amor e de aventuras. Os factos são narrados pelo próprio Garibaldi que nos relata a vida de Anita antes das suas vidas se cruzarem, segundo o que ela lhe contou, e depois o que aconteceu durante os anos que partilharam lado a lado. 

Ao contrário de uma mulher comum, Anita não procurou prender o seu amado a uma vida segura e estável, onde os filhos se tornassem em âncoras e não permitissem perseguir as lutas que o chamavam. Em vez disso, incentivou e participou nas mesmas causas, tendo um papel fundamental e demonstrando uma coragem e destemor que poucos homens conhecem. 

Este é um excelente livro, suportado por uma história verdadeira, repleta de heróis e momentos de emoção, com personagens fortes e marcantes, o que só se poderia traduzir num caso de sucesso. E, como cereja no topo do bolo, a sua escrita é incrível e transforma uma leitura interessante num livro inesquecível. A sua escrita é quase poética e acabei a ter de me controlar para não marcar todas as páginas, porque em todas elas podemos encontrar frases ou parágrafos que queremos guardar e reter. 

Posso imaginar que talvez possa ter provocado alguma polémica, embora não me tenha prendido muito a procurar por ela, devido à forma como faz a sua versão do que se sabe, preenchendo alguns vazios e que poderá ter chocado alguns. Pela minha parte, lido bem com isso, precisamente por se tratar de um romance e não de uma biografia. 

Pela minha parte, fiquei fã do autor e deste seu romance que me permitiu matar saudades de um casal apaixonado e apaixonante. É, sem margem para dúvidas, um livro para guardar e visitar sempre que possível e voltar a viver o deslumbramento das suas belas frases. Concordas comigo? Leste este livro ou ainda não lhe deste uma oportunidade? 

"Tantas e quantas vezes até preferiu estar morto, sem carregar o peso dos companheiros perdidos, do amor perdido e das desilusões, que acumulava como ninguém. No final, a ironia suprema, estava ali, em 1882: um velho como se tivesse tido uma vida prudente, rotineira e previsível como a de um pacato sapateiro ou de um barrigudo mercador." 

"Aprendera nas lutas a conhecer os homens; sabia sempre quem eram os doentes ou os fracos, os valentes e os fortes, aqueles em que se podia ou não confiar, mas nenhuma batalha lhe ensinara a entender as mulheres. Aquela era diferente; não precisava saber de nada ou, por outro lado, era como se já soubesse de tudo. Nunca vira uma mulher assim guerreira, nem sabia de alguma, desde Joana d'Arc, que de tão rara se tornara também uma santa. Ao ver o olhar de Anita, reconhecia o magma vivo, a energia vulcânica daqueles que, como ele, não perdiam tempo com decisões, como é necessário no campo de batalha." 

Podes encomendar o teu exemplar na Wook, com 10% de desconto em cartão. 

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

#Filmes - Assim Nasce uma Estrela


#Filmes - Assim Nasce uma Estrela

Sinopse

Apesar de sobreviver à custa de um ordenado miserável como empregada de mesa, Ally nunca abandonou o sonho de se tornar uma estrela. Um dia, conhece Jackson Maine, um cantor consagrado com tendências autodestrutivas que reconhece o seu talento musical e resolve ajudá-la. Os dois apaixonam-se e vivem uma grande história de amor. Mas, ao mesmo tempo que ela começa a atingir o estrelato e a emocionar multidões, Maine torna-se vítima da implacável máquina que tem o poder de criar e destruir vedetas. Dominado pelo vício do álcool e drogas, Jackson inicia uma verdadeira descida aos infernos, deixando marcas profundas no seu relacionamento com Ally.

Opinião

E, finalmente, dediquei-me a ver o filme sensação do ano passado e que tanto diz que disse provocou. Os rumores que envolvem Lady Gaga e Bradley Cooper são mais que muitos e resta saber se se terão apaixonado de verdade ou se não passa de uma mera estratégia de marketing. Só o tempo o dirá, não é mesmo?

Depois de o ter sugerido para ver no Dia dos Namorados e da noite de Óscares, não podia deixar passar mais tempo para assistir ao primeiro filme realizado pelo gato do Bradley Cooper e que marca a estreia no Cinema de Lady Gaga. Mesmo antes de me dedicar ao visionamento do filme propriamente dito, já estava convencida pelas músicas que ouvi e que me conquistaram.

Os melhores momentos do filme são mesmo os musicais, especialmente os que juntam os dois talentos, o antigo e o novo. A união que transborda dessas cenas é brutal e emociona qualquer um. Embora também venha associado uma crescente sensação de tristeza pelo caminho de autodestruição que Maine trilha e que não tem como terminar bem.

No entanto, traça ainda um retrato muito interessante do caminho que leva à fama e o quanto é preciso perder para alcançar o sucesso e o reconhecimento do grande público. A transformação necessária para atingir o estrelato, leva a que a essência do artista, a sua personalidade e, por vezes, a mensagem sejam apagadas e substituídas pelo que está na moda e por fórmulas garantidas e muito semelhantes.

A química do nosso casal de protagonistas é evidente e a extravagante cantora representou muito bem o seu papel. Não imaginando que fosse possível vencer o Óscar, percebo melhor a sua nomeação, pois não deixa de ser uma surpresa ver a sua performance como Ally, porque as suas qualidades vocais já estavam mais que provadas.

Quanto às versões anteriores, não posso fazer comparações com propriedade. A primeira nunca vi e a segunda, com Barbara Streisand, tenho uma memória muito longínqua de quem viu em tenra idade e reteve muito pouco. Ainda assim, penso que esta versão está bem conseguida, pela modernidade e actualidade que trouxe a uma história intemporal e que poderá ser reescrita daqui por mais uns quantos anos.

Em suma, temos aqui um filme muito bem conseguido, com um elenco de luxo e com uma banda sonora que, se não houvesse mais nada, já seria motivo suficiente para perder duas horas a assistir. Quanto a ti, gostas de Assim Nasce uma Estrela? O que me tens a dizer sobre este filme? 


terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

#Moda - Óscares 2019


#Moda - Óscares 2019

De facto, já estou cansada de dizer que já não se fazem passadeiras vermelhas como antigamente. Não sei se o problema está na moda e nos estilistas da actualidade, se nas estrelas pouco cintilantes dos dias de hoje, se nos nossos olhos que perderam a inocência e o deslumbramento por esse mundo tão distante de nós. 

Culpados à parte, recuso-me a perseguir as figuras tristes destes eventos, como aconteceu nos Grammys deste ano, e fiz um esforço gigante para esquadrinhar devidamente todas as fotos que saíram desta passadeira vermelha e encontrar o que de melhor, a meu ver, passou por lá. Vamos ver os eleitos?


#Moda - Óscares 2019 Brie Larson

#Moda - Óscares 2019 Giuliana Rancic

#Moda - Óscares 2019 Glenn Close

#Moda - Óscares 2019 Helen Mirren

#Moda - Óscares 2019 Jennifer Lopez

#Moda - Óscares 2019 Tina Fey

Quando se encontra, entre as minhas escolhas para melhor da noite, Jennifer Lopez penso que pouco mais há a dizer. Depois, vemos senhoras acima dos sessenta a mostrar às miúdas no esplendor da idade como se faz e o que é preciso para uma passadeira vermelha digna dos Óscares da Academia. I rest my case.

O que me dizes da edição de 2019 dos Óscares? Algum vestido te encheu as medidas? Qual o teu favorito da noite? 


Podes ver também: 


Top 10 Óscares 2018
Best of Óscares 2017
Os vestidos dos Óscares 2016
Óscares 2015: O melhor e o pior
Os melhores trapinhos - Óscares 2014
Óscares 2013

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019

A Banda Sonora da Semana #42


A Banda Sonora da Semana #42 com uma homenagem ao homem da minha vida e uma música para inspirar a semana

Ver terminar o fim de semana de folga é coisa que dói na alma, especialmente porque sei que terei de trabalhar nos próximos. É triste, mas tem de ser, que vida de pobre é trabalhar. Pelo menos enquanto não me sair o Euromilhões ou receber uma herança gigante e inesperada, é o que me resta e presumo que também seja o teu caso, estou certa? É por isso que as inspirações são tão importantes para dar o ânimo necessário para o começo de mais uma semana de trabalho. Estamos juntos?

Efemérides de 25 de Fevereiro


1961 - Independência do Kuwait.
1836 - Samuel Colt recebe a patente do revólver. 
1841 - Nasceu Pierre-Auguste Renoir, pintor francês. 
1558 - Morreu Leonor da Áustria, Rainha de Portugal e da França. 
1945 - Morreu Mário de Andrade, poeta, escritor, romancista, crítico literário, musicólogo e ensaísta brasileiro. 

A Banda Sonora da Semana #42 com uma homenagem ao homem da minha vida e uma música para inspirar a semana

Neste dia, a verdadeira efeméride é o nascimento do homem mais importante da minha vida e o que mais admiro no mundo. Esta não é a primeira vez que o homenageio por estas paragens. Dediquei-lhe as minhas palavras no Dia do Pai, em 2016, e no seu aniversário, em 2017. Estou certa, também, que esta não será a última vez que isso acontece.

É profundo e imenso o amor que lhe dedico. A admiração por este homem e, sobretudo, pelo pai extraordinário que tem sido, não pode ser medida nem comparada. É fruto de uma relação que conta já com trinta e três anos e que vai para além deles, por tudo o que sei e conheço da sua vida. Do que foi e do que decidiu fazer com ela.

A Banda Sonora da Semana #42 com uma homenagem ao homem da minha vida e uma música para inspirar a semana


Deixa marca por todo o lugar por onde passa e na vida da sua única e orgulhosa filha não poderia ser diferente. A sua protecção nunca me falhou. O seu amor é o meu melhor presente. Os valores e princípios que recebi são o seu maior legado. Quanto mais o tempo passa mais certa estou de que sou uma pessoa de sorte e o pai que tenho é o maior rasgo de sorte que me aconteceu.

É tão grande a sua importância e tão forte a influência em mim, que marcou presença no primeiro A Banda Sonora da Semana, devido à sua paixão que me transmitiu pela música. Aliás, a lista do que aprendi com ele é infinita e seria impossível colocar em palavras tudo o que seria preciso dizer para lhe fazer justiça.

Este será o último ano que estarás na década dos sessenta e só desejo que seja tão extraordinário como todos da tua vida. O mérito é teu que não desistes de nada, que nunca baixas os braços e tens um encanto a que ninguém consegue resistir. Feliz aniversário, paizão!


Depois de tanto sentimentalismo, não podemos esquecer que esta é uma rubrica de sugestões e inspirações, não é mesmo? Assim, e sem esquecer dos Óscares de ontem à noite, ficamos com uma música brilhantemente cantada pelo casal (será) sensação do momento. Viste o filme? E os anteriores? 

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

#Livros - Orgulho e Preconceito, de Jane Austen


#Livros - Orgulho e Preconceito, de Jane Austen

Sinopse

Orgulho e Preconceito é o romance mais conhecido de Jane Austen. Embora o universo que retrata seja circunscrito - a sociedade inglesa rural da época -, graças ao génio de Austen o seu apelo mantém-se intacto. É uma história de amor poderosa, entre Elizabeth Bennet, a filha de espírito vivo e independente de um pequeno proprietário rural, e Mr. Darcy, um aristocrata altivo da mais antiga linhagem. Mas é também uma deliciosa comédia social, à qual estão subjacentes temáticas mais profundas. A sua atmosfera é iluminada por uma jovialidade contagiante, por uma variedade de personagens e vozes que tornam o enredo vibrante e constantemente agitado pelo elemento surpresa, pela genialidade da inteligência e da ironia de Austen. 

Opinião

E cá estou eu na minha caminhada pelos clássicos da Literatura mundial que me faltam ler e aproveitando para deles falar no blog. Não sou uma fundamentalista que defende que só os clássicos são bons e que tudo o resto não presta para nada. Pelo contrário, acredito que o importante é ler. Não importa o quê. Mesmo que sejam livros de qualidade duvidosa. Pois penso que só conhecendo o mau se pode valorizar e tirar verdadeiro prazer do bom que nos vem parar às mãos.

É o caso do livro mais famoso de Jane Austen, Orgulho e Preconceito. Embora tenha visto o filme, passados tantos anos, isso não atrapalhou em nada a surpresa da leitura. Até porque os finais dos romances são, regra geral, bastante previsíveis. Raros são os que, de facto, surpreendem. O que importa são os acontecimentos e peripécias que sucedem entre o início e o desfecho esperado e desejado pelo leitor.

Desde 2016, quando enumerei os 20 clássicos que me faltam ler, que queria muito agarrar na obra de Jane Austen e neste livro em particular. Devo dizer, em abono da verdade, que a edição que li não é das melhores. Não só pela qualidade e beleza do livro, mas sobretudo por causa da tradução que deixa muito a desejar. Serviu para me iniciar na autora, mas pretendo, logo que seja possível, comprar uma edição melhor. Como por exemplo esta edição bilíngue e de capa dura, que ficava a matar na minha estante!

Antes de mais, é preciso colocar este livro no contexto da sua época. Afinal, Austen é fruto do seu tempo, embora tenho um olhar crítico sobre a sociedade onde se insere. Em Orgulho e Preconceito, ficamos a conhecer Elizabeth Bennet, uma jovem inteligente e de língua aguçada, segunda filha de uma família de classe média, que vivia num meio rural. Este é um livro repleto de humor, embora os melhores momentos cómicos são protagonizados pela mãe Bennet, que é desprovida de qualquer ponderação, falando o que pensa sem se preocupar com quem a rodeia.

No lado oposto temos o cosmopolita, rico e orgulhoso Mr. Darcy, que se encanta contra a sua vontade pela nossa protagonista. Apesar de lhe reconhecer todas as qualidades, tem muita dificuldade em aceitar a sua família, o meio onde se movimenta e a sua falta de recursos financeiros. Enquanto tenta lutar contra o que sente, muitos mal entendidos surgem no caminho e impedem que seja bem recebido pela sua amada quando lhe declara o seu amor.

Primeiro quero destacar os diálogos brilhantes que se podem encontrar neste livro. São deliciosos e, assim que terminam, só temos vontade de voltar a ler e absorver tudo o que dentro deles se encerra. Essa é uma das razões que fazem deste livro intemporal e que lhe garantiram o título de clássico da Literatura. A outra razão é a forma subtil e irónica como Jane Austen critica a sociedade, as mulheres e o casamento.

Não se trata de uma critica aberta, mas de algo subliminar que se percebe pela voz do narrador. Na época, para as mulheres o casamento era uma forma de garantir a segurança financeira. Uma mulher que não arranjasse marido, ficava refém da boa vontade da família. Sem um marido que lhe garantisse o sustento, um tecto e comida na mesa, era muito difícil uma mulher sobreviver condignamente. Essa mentalidade está bem expressa ao longo de todo o livro, mas sempre polvilhada com o picante da ironia bem disposta, como uma alfinetada que critica o que está estabelecido.

Se queres saber mais sobre este livro, aconselho-te a ver este vídeo, e a assistir a uma análise mais técnica e conhecedora da obra e da própria autora. Pela minha parte, fiquei rendida a este livro incrível e já decidi que quero ler tudo o que esta mulher escreveu. E tu, já leste Jane Austen? Qual o teu livro favorito da autora?

"(...) a perda de virtude numa mulher é irreparável, que um passo em falso pode causar-lhe a maior das ruínas, que a sua reputação é um bem tão frágil como belo, e que uma mulher não pode ter um comportamento demasiado precavido contra os indignos membros do sexo oposto." 

Podes encomendar o teu exemplar na Wook, com 10% de desconto em cartão e portes grátis, ou na Book Depository, com 16% de desconto imediato e portes grátis para todo o mundo. 

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

A Banda Sonora da Semana #41


A Banda Sonora da Semana #41 com um livro de Philippa Gregory, um filme nomeado aos Óscares e música de Mishlawi

Já se passou metade de Fevereiro e que bom seria se fosse fim do mês de verdade. Esta coisa de viver a contar trocos é coisa desagradável, especialmente em meses onde as comissões não dão um ar de sua graça. Mas como ainda faltam uns valentes dias até chegar o dia tão esperado, não vale a pena perder tempo com lamentações inúteis. Resta aproveitar da melhor forma o resto de mês que ainda temos pela frente! 

Efemérides de 18 de Fevereiro


1965 - Independência da Gâmbia. 
1930 - Ao estudar fotografias tiradas em Janeiro, Clyde Tombaugh descobre Plutão. 
1516 - Nasceu Maria I de Inglaterra
1947 - Nasceu Carlos Lopes, ex-atleta português. 
1546 - Morreu Martinho Lutero, monge e teólogo alemão. 

A Banda Sonora da Semana #41 com um livro de Philippa Gregory, um filme nomeado aos Óscares e música de Mishlawi

Relembrando a terrível rainha Maria I de Inglaterra, nada como recordar um livro que conta a história da sua mãe espanhola, Catarina de Aragão, o que aconteceu após chegar a Inglaterra até ao nascimento da filha que viria a tornar-se rainha de Inglaterra. Caso ainda tenhas dúvidas quanto a esta sugestão, podes ler a minha opinião sobre este livro aqui e comprar o teu exemplar na Wook. Pela minha parte continuo rendida ao talento de Philippa Gregory e mal posso esperar para pôr as mãos em tudo o que esta mulher escreveu! E tu, já conheces esta autora incrível? Qual o teu livro favorito dela? 

A Banda Sonora da Semana #41 com um livro de Philippa Gregory, um filme nomeado aos Óscares e música de Mishlawi

Mantendo a temática relacionada com as rainhas de Inglaterra, vou deixar como sugestão cinematográfica um filme que está neste momento em exibição nas salas de Cinema  e que anda a coleccionar nomeações para os Óscares. Falo de A Favorita, filme que quero muito ver e que tantas críticas positivas tem recebido. Já foste ver? Vale a pena?

Lê a minha opinião sobre o filme A Favorita


E para terminar sem diminuir a fasquia, deixo como música da semana um artista que descobri através do imperdível Maluco Beleza, do Rui Unas. Trata-se da mais recente sensação internacional do mundo da música e ainda por cima vive em Portugal e fala português. Já conhecias o Mishlawi?

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

#Moda - As figuras nos Grammys 2019


#Moda - As figuras nos Grammys 2019

Longe vão os tempos em que uma noite de gala, com figuras do panorama artístico e com repercussão mundial eram acontecimentos cheios de glamour e sofisticação. Momentos que nos faziam sonhar com lugares e vestidos que não se encontravam ao nosso alcance, dos comuns mortais. Talvez por se ter perdido este toque especial na maioria dos eventos, desde 2015 não referia os divertidos Grammys. 

Mas agora, enquanto os Óscares não chegam, decidi abraçar a diversão de me rir com as figuras da edição de 2019 dos Grammys. E olhem que isto, com o passar dos anos, está cada vez melhor. Ou deverei dizer pior? Bem vistas as coisas, isso nem interessa. O que importa é que te divirtas comigo nesta visita pelas figurinhas. Aceitas o convite? 

#Moda - As figuras nos Grammys 2019

#Moda - As figuras nos Grammys 2019

#Moda - As figuras nos Grammys 2019

#Moda - As figuras nos Grammys 2019

#Moda - As figuras nos Grammys 2019

#Moda - As figuras nos Grammys 2019

#Moda - As figuras nos Grammys 2019

O que me dizes das minhas escolhas para esta edição dos Grammys? Esqueci-me de alguém? 

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

A Banda Sonora da Semana #40


A Banda Sonora da Semana #40 com a Autobiografia de Nelson Mandela, um Documentário sobre Alexander McQueen e uma música com Matias Damásio

Estamos em Fevereiro e na semana em que se irá celebrar o tão esperado (por muitos) Dia dos Namorados. No entanto, não quero contribuir para tornar a tua semana ainda mais melosa. Um pouco de romantismo é sempre bem-vindo, mas o que é de mais já enjoa e, como tal, vou procurar manter o bom senso e não ceder demasiado aos caprichos dos apaixonados. Parece-te bem? 

Efemérides de 11 de Fevereiro


1990 - É libertado Nelson Mandela, prisioneiro político sul-africano. 
1847 - Nasceu Thomas Edison, empresário e inventor norte-americano. 
1926 - Nasceu Leslie Nielsen, actor e comediante do Canadá. 
1650 - Morreu René Descartes, filósofo, físico e matemático francês. 
2010 - Morreu Alexander McQueen, estilista britânico. 

A Banda Sonora da Semana #40 com a Autobiografia de Nelson Mandela, um Documentário sobre Alexander McQueen e uma música com Matias Damásio

Confesso que ando muito voltada para biografias, género literário que penso ser pouco explorado em Portugal. No entanto, noto que as coisas começam a mudar e prova disso são alguns exemplares, acabados de publicar, que já moram cá em casa. Para hoje, deixo como sugestão a autobiografia de Nelson Mandela, Um Longo Caminho para a Liberdade. Afinal, trata-se de uma personagem fascinante e que merece bem a nossa atenção, especialmente em tempos como os que vivemos. 

Gostas de biografias? Já leste a de Nelson Mandela? 

A Banda Sonora da Semana #40 com a Autobiografia de Nelson Mandela, um Documentário sobre Alexander McQueen e uma música com Matias Damásio

Dado que hoje se comemora o nono aniversário da morte deste grande estilista, deixo como sugestão um documentário que quero muito ver e que retrata a vida de Alexander McQueen e o seu percurso brilhante no mundo da moda. Porque esse mundo não se faz apenas de trapos, mas essencialmente de pessoas especiais que se destacam pela nova visão que trazem consigo. 

Também queres ver ou já viste este documentário? Confirmas a minha sugestão? 


Por fim, ficamos com a nota mais romântica do dia, com uma música que bem poderia constar das melhores músicas para namorar e que fez parte da banda sonora de uma novela da TVI. Que me dizes das músicas de Matias Damásio? És fã?

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

Top 10 - Filmes para ver no Dia dos Namorados (para solteiros)


Top 10 - Filmes para ver no Dia dos Namorados (para solteiros)

É impossível ignorar a data mais apregoada do mês de Fevereiro, por muito que se deseje. Quer vivas o mais belo dos amores ou estejas a passar por uma travessia no deserto no campo amoroso, tudo à tua volta canta louvores ao Dia dos Namorados e a todas as suas obrigações inerentes. Se tens um namorado, é preciso que compres um presente inesquecível, vás jantar a um restaurante da moda e passes a noite a fazer amor apaixonadamente. Se fazes parte do clube dos solteiros, és única e simplesmente um falhado. 

Apesar de solteira que assumidamente sou, tenho planos, que se esperam divertidos, para essa noite romântica e pirosa. Pretendo jantar, nessa noite, com um amigo de sempre, que recentemente voltou para o grupo dos solteiros, tarefa que não se está a revelar fácil de programar. Isto porque todos os restaurantes parecem ter decidido organizar uma noite especial para enamorados, com menus especiais e bastante inflacionados. Que isto de decorar as mesas com velas e corações é coisa para encarecer bastante o preço final. 

No entanto, não é da minha vida pessoal que hoje pretendo falar. No seguimento do post do ano passado, onde deixei ideias do que fazer no Dia dos Namorados quando não tens namorado, decidi reunir uma lista com o meu Top 10 de filmes para ver neste dia, especialmente para os solteiros. Claro que os filmes que seleccionei também podem ser vistos para quem está bem acompanhado, mas o foco principal é para quem está solteiro. 

Tentei escolher filmes para todos os gostos, mais cómicos e mais sérios, clássicos e novidades. Fugi das escolhas mais lamechas e daqueles dramas mais arrebatadores para que esta noite não fique manchada pela frustração de estar sozinho. Até porque defendo que é melhor estar só de que a viver uma relação tóxica ou baseada no comodismo e no medo da solidão. Agora, chega de conversa fiada e passemos ao que interessa, ou seja, aos filmes! 

1. American Pie


Top 10 - Filmes para ver no Dia dos Namorados (para solteiros) American Pie

2. O Sexo e a Cidade


Top 10 - Filmes para ver no Dia dos Namorados (para solteiros) O Sexo e a Cidade

3. Chocolate


Top 10 - Filmes para ver no Dia dos Namorados (para solteiros) Chocolate

4. Para Sempre, Talvez


Top 10 - Filmes para ver no Dia dos Namorados (para solteiros) Para Sempre, Talvez


5. Dirty Dancing


Top 10 - Filmes para ver no Dia dos Namorados (para solteiros) Dirty Dancing

6. Assim Nasce uma Estrela


Top 10 - Filmes para ver no Dia dos Namorados (para solteiros) Assim Nasce uma Estrela

7. Amigos Coloridos


Top 10 - Filmes para ver no Dia dos Namorados (para solteiros) Amigos Coloridos

8. Refrigerantes e Canções de Amor


Top 10 - Filmes para ver no Dia dos Namorados (para solteiros) Refrigerantes e Canções de Amor


9. Bohemian Rhapsody


Top 10 - Filmes para ver no Dia dos Namorados (para solteiros) Bohemian Rhapsody

10. Step Up


Top 10 - Filmes para ver no Dia dos Namorados (para solteiros) Step Up

Que filme vais ver no Dia dos Namorados? Ou melhor, tens planos a sós ou acompanhada? 

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

A Banda Sonora da Semana #39


A Banda Sonora da Semana #39 em português com um livro de Portugal e uma música do Brasil

Depois de receber os trinta e três com muita esperança no que de bom viria, depois de me dedicar ao pecado da gula, com a melhor francesinha do mundo, chega a gripe para deitar por terra tanto entusiasmo. Mas nem assim perco a vontade de cá vir debitar os meus pensamentos e ainda menos as inspirações para uma nova semana. 

Efemérides de 4 de Fevereiro


1992 - Golpe de Estado é liderado por Hugo Chávez contra o presidente da Venezuela Carlos Andrés Pérez.
2004 - Facebook, uma rede social, é criada por Mark Zuckerberg e os seus colegas. 
1799 - Nasceu Almeida Garrett, escritor, dramaturgo, poeta e político português. 
1959 - Nasceu Zeca Pagodinho, cantor e compositor brasileiro. 

A Banda Sonora da Semana #39 em português com um livro de Portugal e uma música do Brasil

Às vezes penso que este grande homem do Romantismo em Portugal não tem o reconhecimento merecido. Eu sei que estudamos este autor na escola. Quem não se recorda da peça incrível Falar verdade a mentir? Não me esqueço das gargalhadas que dei quando vi esta peça representada. Por outro lado, aquele Viagens na minha terra não é uma leitura fácil de levar a cabo, especialmente quando somos adolescentes. 

Mas o poeta Almeida Garrett é algo inacreditável. Quando li o livro que hoje te deixo como sugestão, Folhas Caídas, fiquei rendida ao seu génio. É o Romantismo levado ao seu ponto alto e lá encontras alguns dos mais belos poemas de amor. Recordo-me também de ter visto, na RTP, uma mini-série sobre este autor, onde ficamos a conhecer mais sobre a sua vida e os seus amores, as suas posições políticas e as suas obras. Em suma, o que faltava para me render a este romântico e que me parece muito apropriado para este mês de Fevereiro, o mês do amor. 

Já leste a obra poética de Almeida Garrett? Ou ficaste pelos livros que se dão na escola? Que opinião tens sobre este autor? 


E para continuarmos em português, vamos ficar com uma música repleta de boas vibrações, como só os brasileiros sabem fazer. Uma homenagem a Zeca Pagodinho e à boa música do Brasil, e uma excelente forma de inspirar neste início de semana. Quem resiste aos ritmos brasileiros?  Temos fãs? 

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

Uma noite com... #156


Uma noite com... #156  Viggo Mortensen

Uma noite com... #156  Viggo Mortensen

Uma noite com... #156  Viggo Mortensen

Uma noite com... #156  Viggo Mortensen

Uma noite com... #156  Viggo Mortensen

Uma noite com... #156  Viggo Mortensen

Uma noite com... #156  Viggo Mortensen

Uma noite com... #156  Viggo Mortensen

Uma noite com... #156  Viggo Mortensen

Viggo Mortensen
Nomeado para o Óscar de Melhor Actor mas, para mim, será sempre o eterno Aragorn.

Podes ver os gatos das semanas anteriores aqui.