expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Subscreve a Newsletter Semanal

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Quando eles são como elas



Existem homens e mulheres para todos os gostos, graças a Deus. No entanto, quando separamos homens e mulheres ocorre-nos uma série de adjectivos que encaixam ora num ora noutro. De um lado temos as mulheres, mais sensíveis, dando mais importância às emoções e aos sentimentos. Corre o mito urbano de que são mais choronas e lamechas, sempre à espera de um gesto romântico da cara metade. Pouco racionais, até. 

Do outro lado estão os homens. Um ser mais dado à razão. Simples, básico e de fácil compreensão. Quando diz que sim, é isso que quer dizer. Quando diz que não, o mesmo acontece. Não existe complexidade mental. Mais dados a actividades físicas e pouco amigos de demonstrações de afecto. Especialmente, em público. 

A isto se chama de estereótipos. Porque és mulher, tens de ser sensível e lamechas. Porque és homem, é tua obrigação ser durão e gostar de futebol. Então, e se trocássemos isto tudo? Mulheres a serem duronas e homens fofinhos e sentimentais? Quantos exemplares, que não se encaixam nos rótulos que a nossa sociedade insiste em colocar nas pessoas, já encontraram pela vida fora?

Já encontrei tantos, que até já perdi a conta. Mais homens que mulheres, é certo. Mas ainda assim, muitas pessoas não se encaixam nas expectativas que involuntariamente colocamos sobre quem nos rodeia. 

Agora, tenho de ser sincera. Não aprecio aquela coisa do macho latino, tão popular em tempos idos. E ainda aprecio menos estes homens lamechas e fofoqueiros, e que ainda demoram mais tempo do que nós, mulheres, a sair de casa. É que a experiência diz-me que, quando um homem é lamechas, é pior do que a mulher mais neurótica. Quando um homem é fofoqueiro, é pior do que as alcoviteiras de bairro ou da aldeia. E quando é vaidoso, pessoas? Colocam mais cremes e passam mais tempo em frente ao espelho do que tu e as tuas amigas todas juntas. 

Como já referi antes, não defendo que os homens devem seguir a máxima do feios, porcos e maus. Bem pelo contrário. Tenho acompanhado com bastante agrado o quanto os homens portugueses têm ficado mais bonitos, mais cuidados, de ano para ano. As ruas ficam mais agradáveis para as vistas e até dá gosto passear pelas cidades. 

O que critico são os exageros. Esta coisa dos senhores homens quererem ocupar os nossos, já de si reduzidos, espaços na casa-de-banho e no roupeiro, não está com nada. Existem uma certa simplicidade nos rituais masculinos que seria interessante manter, não concordam? 

A manter seria um interesse moderado, a tender para o reduzido, pela vida alheia. Esse é o tipo de conversa que gostamos de ter com as amigas. Com o namorado, é dispensável. A menos que pretendam ser catalogados na friend zone, sem perspectivas de saída à vista. 

Quanto à "lamechice", certamente vão encontrar mulheres que irão amar esta vossa faceta. Pela parte que me toca, dispenso essa parte. Uma surpresa no momento certo, parece-me bem. Muito mais que isso, é coisa que me irrita. Então e as cobranças e inseguranças, típicas de homens assim, pior ainda. Contudo, acredito que encontrarão a mulher certa. A mulher que gosta deles assim. Que espera, com ansiedade, pelo homem que lhe dá provas de amor, minuto a minuto. Serás tu? 

2 comentários:

Obrigada pela visita e pelo comentário. Terei todo o gosto em responder muito em breve.
*Não esquecer de marcar a caixinha para receber notificação quando a resposta ficar disponível.
Até breve!