expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Subscreve a Newsletter Semanal

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

#Filmes - O Segredo de Brokeback Mountain


 
Sinopse
De Ang Lee - vencedor do Óscar para Melhor Realizador - chega-nos uma épica história de amor baseada num conto da vencedora de um Prémio Pulitzer Annie Proulx - O Segredo de Brokeback Mountain. Wyoming, 1963. Ennis Del Mar e Jack Twist conhecem-se quando procuram emprego no rancho de Joe Aguirre. Ambos parecem ter certezas quanto ao que querem da vida - um emprego estável, um casamento feliz e uma família constituída. Quando são destacados para trabalharem na remota região de Brokeback Mountain, os dois jovens sentem-se unidos por uma força maior que resulta numa relação de camaradagem e intimidade profunda. Grande vencedor do Leão de Ouro no último Festival de Veneza, O Segredo de Brokebock Mountain é um espantoso filme sobre o poder do amor que tem como pano de fundo as deslumbrantes paisagens de Wyoming e do Texas. Unanimemente considerado o filme do ano, acabou por ser consagrado com 3 Óscares da Academia e 4 Globos de Ouro.

 
 
Opinião
Muito se falou sobre este polémico filme. Numa sociedade tão conservadora como a americana, muito me espanta que tenha sido possível realizá-lo. Durante muito tempo não prestei a devida atenção a esta história, até que, numa noite destas, encontrei o DVD aqui na prateleira e achei que estava na hora de ver pelos meus olhos.
 
E como gostei desta história. Penso que só os verdadeiramente preconceituosos vão ver um casal homossexual aqui retratado. O que vi foi uma história de amor, daqueles amores que nos arrebatam e não conseguimos controlar por mais que o desejássemos. Um amor que, ao longo de vinte anos, deixou de ser vivido na sua plenitude por medo. Medo do que os outros iriam pensar ou dizer. Medo do preconceito alheio. Deixa-nos com um aperto no peito pelo que se perdeu, pelo que não foi vivido. Sem nunca colocar em causa a dimensão do sentimento partilhado pelos protagonistas.

A minha cena favorita acontece quando se voltam a encontrar, já casados com as suas esposas e pais de filhos, passados anos desde o momento em que se despediram, crentes de que conseguiriam voltar às suas vidas e esquecer o que viveram e o que sentiram. Como estava a dizer, este reencontro é uma cena fortíssima, com uma intensidade perturbadora. Demonstra a dimensão dos seus sentimentos e como o tempo e a distância não diminuiu em nada o que vivia escondido nos seus corações.
 
No final, fica a pergunta: Quantas coisas deixamos de fazer por temermos o julgamento da sociedade? Quantas momentos e pessoas especiais perdemos por causa disso? E ao contrário, quantas vezes julgamos os outros sem saber a verdade do que os une? Temos alguma legitimidade para o fazer? Claro que não e espero que histórias como esta, num futuro próximo, sejam apenas casos da sociedade que em tempos fomos.
 
Além da história fantástica, adaptada de um conto que adoraria ler, o sucesso deste filme passa muito pelo desempenho extraordinário dos actores que nele participam. São Heath Ledger, Jake Gyllenhaal, Anne Hathaway e Michelle Williams que brilhantemente nos transmitem todas as emoções no tempo certo, sem qualquer espaço para vulgaridade, com uma sensibilidade ímpar. E para esta sensibilidade também contribui a música que, na minha opinião, é lindíssima.
 
Já viram? Caso ainda não tenham assistido, podem encomendar o DVD aqui, pelo preço fantástico de 3,96€.

Sem comentários:

Obrigada pela visita e pelo comentário. Terei todo o gosto em responder muito em breve.
*Não esquecer de marcar a caixinha para receber notificação quando a resposta ficar disponível.
Até breve!