expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Subscreve a Newsletter Semanal

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Ética. Ou falta dela.


Ao longo da vida já conheci muitas pessoinhas. Algumas que deixaram a sua marca, mas também saudade. Outras nem tanto. Contudo, tiveram o seu propósito, ou seja, serviram para que reconhecesse o tipo de pessoas que não quero na minha vida e com as quais não me quero parecer de forma alguma. 

Isto para falar da falta de ética que vejo nas atitudes de alguns que, por determinado tempo, me rodeiam. Talvez seja mais do que isso. Pura e simplesmente desconhecem o termo, muito embora, a ignorância não sirva de desculpa. Afinal de contas, todos conhecemos pessoas sem escolaridade, que nunca estudaram nem tão pouco pensaram nessas questões, e são exemplos a seguir no que toca à dita ética.

Assim sendo, passemos ao caso propriamente dito. A pessoa sente que está por um fio no emprego que tem. E o que faz? Esforça-se? Pede ajuda? Tenta melhorar? Qual quê! Deixa-se arrastar, sem mexer uma palha, sem o mínimo de esforço. Não mostra a vontade e o empenho de quem passa uma fase má e pretende uma nova oportunidade. Os dias passam e o fim do mês chega. Recebe o ordenado e perante a hipótese de perder o ordenado base, lá vai embora à sua vida. 

Até aqui nada de anormal. Um caso como tantos os que vemos pelo mercado laboral. Aqui a piada estava à nossa espera quando acedemos ao Facebook. Então não é que a pessoa despediu-se hoje e ontem já tinha montado uma empresa e começado a sua divulgação nas redes sociais. Não é que pense que as pessoas se devam sentar à sombra da bananeira à espera que as soluções as encontrem. Pelo contrário, nos dias de hoje, o segredo para o sucesso, por vezes, passa por sermos proactivos. Mas, por favor, tenham um pouco de decoro. Pelo menos, aguardem pela resolução da situação com a entidade patronal anterior para divulgar aos sete ventos o novo projecto. É o mínimo, digo eu. 

 

4 comentários:

  1. Se a pessoa for como dizes, então a empresa que criou não terá grande futuro, porque se é uma pessoa que não se mexe, que não se esforça, então não irá muito longe!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também partilho dessa opinião, mas espero que goste mais do que vai fazer do que gostava do que fazia e tenha muito sucesso. O tempo o dirá.

      Eliminar
  2. O que será a falta de ética? o que essa pessoa fez, que manteve o seu trabalho a até ter o seu negócio pronto? ou quando os patrões despedem empregados que são esforçados precisam trabalhar?

    www.opecadodagula.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma coisa não invalida a outra. Além de que, neste caso em concreto, a pessoa não se esforçou minimamente, o que deu perceber o motivo quando soubemos do tal negócio.
      Um negócio para o qual teve de pedir ajuda ao antigo patrão e que, como previsto, não durou muito tempo.

      Eliminar

Obrigada pela visita e pelo comentário. Terei todo o gosto em responder muito em breve.
*Não esquecer de marcar a caixinha para receber notificação quando a resposta ficar disponível.
Até breve!